AP
AP

Dois ataques contra prédios do governo matam 16 no Paquistão

Pelo menos 80 pessoas ficaram feridas em atentados contra sede dos serviços de inteligência e delegacia

estadao.com.br,

13 Novembro 2009 | 07h29

Pelo menos 16 pessoas morreram e mais de 80 ficaram feridos nesta sexta-feira, 13, em dois grandes atentados no noroeste do Paquistão. Um dos alvos foi o prédio da sede do serviço de inteligência paquistanês, na cidade de Peshawar. Outra bomba explodiu numa delegacia de polícia na cidade de Bannu, também no noroeste do país.

 

Veja também:

especialEspecial: As principais ações suicidas a serviço do terror

 

O edifício dos serviços de inteligência foi duramente atingido pela explosão, com imensas nuvens de fumaça no céu e escombros pelo chão, disseram testemunhas. O impacto chegou a arrancar as árvores do chão. Grande parte do prédio de três andares e diversos automóveis que estavam estacionados em frente ao local foram destruídos. Segundo fontes oficiais, as forças de segurança chegaram a abrir fogo contra um carro-bomba, mas o suicida conseguiu detonar os explosivos que estavam no veículo. Pelo menos dez pessoas morreram, incluindo sete funcionários da agência, e outros 55 foram feridos.

 

Segundo o prefeito de Peshawar, Sahib Zada Anis, a maioria das vítimas eram civis. Os feridos foram levados a hospitais próximos e fontes de segurança afirmam que diversas outras vítimas podem estar presas nos escombros. Peshawar é frequentemente atingida por atentados. A cidade fica no cinturão tribal sem lei do Paquistão, onde as autoridades norte-americanas dizem que a Al-Qaeda vem planejando ataques contra o Ocidente. Na mesma região, as tropas paquistanesas estão realizando uma grande ofensiva anti-Taleban.

 

Cerca de uma hora depois, um segundo carro-bomba atacou uma delegacia, matando seis pessoas, entre elas cinco policiais. Outras 27 pessoas foram feridas. O prédio é perto da província do Waziristão do Norte, região tribal para a qual oficiais acreditam que muitos dos militantes tenham fugido por conta da ofensiva.

 

Segundo a BBC, os atentados são os mais recentes de uma série de ataques em Peshawar desde que o Exército do Paquistão iniciou uma ofensiva contra o Taleban na região de Waziristão do Sul. Há duas semanas, mais de cem pessoas morreram em uma explosão que atingiu um mercado movimentado da cidade.

 

Analistas afirmam que cidadãos normais têm sido alvos cada vez mais frequentes já que os militantes estão sendo acuados e pressionados pelos militares na região. Apesar dos ataques recentes, o primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gilani, disse na quarta-feira que o governo está "completamente comprometido" com a ofensiva no Waziristão do Sul e com a "eliminação completa do terrorismo".

Mais conteúdo sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.