Dois bombardeios matam 17 pessoas no Paquistão

Dois bombardeios em duas áreas diferentes do Paquistão mataram 17 pessoas e feriram dezenas nesta sexta-feira.

AE, Agência Estado

14 de março de 2014 | 11h05

Na cidade de Quetta, no sudoeste, capital da província do Baluquistão, 10 pessoas morreram e 37 ficaram feridas quando uma bomba explodiu perto de um ônibus, relatou Ali Mardan, médico do hospital para onde foram levadas as vítimas. Quatro dos feridos estavam em estado grave.

A bomba foi colocada em uma bicicleta e explodiu quando o ônibus passou perto, disse o policial Abdur Razzak Cheema. Dois veículos carregando tropas do Paquistão haviam recém passado pelo local quando a bomba explodiu, contou Cheema. Ninguém assumiu imediatamente a responsabilidade pelo ataque.

No noroeste do Paquistão, um suicida se explodiu perto de um veículo blindado da polícia cerca de 20 quilômetros ao sul da cidade de Peshawar, matando sete pessoas, disse policial Mohammad Faisal.

Ele disse que a maioria dos mortos era civis, mas muitos policiais estavam entre os 45 feridos. Faisal afirmou ainda que a polícia intensificou as patrulhas na área devido a ameaças de militantes da região tribal vizinha Khyber. O exército paquistanês realizou várias operações em Khyber, em um esforço para expulsar os militantes da área. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade por esse ataque tampouco.

Enquanto isso, uma corte paquistanesa emitiu nesta sexta-feira outra ordem de prisão para o ex-governante Pervez Musharraf, embora tenha lhe dado prazo até 31 de março para comparecer ao tribunal antes de o mandado ser cumprido. Os procedimentos legais no caso de traição de Musharraf começaram em dezembro, mas o ex-general só apareceu uma vez no tribunal desde então e ainda não foi formalmente acusado. As acusações deveriam ser feitas hoje, mas Musharraf não foi outra vez ao tribunal, com seus advogados alegando preocupações com segurança. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.