Dois civis morrem em meio a fogo cruzado no sul das Filipinas

Dois civis morreram e outros 10 ficaram feridos quando soldados filipinos lançaram tiros de morteiro contra insurgentes muçulmanos em uma área próxima a um centro de refugiados na ilha de Jolo, no sul do país, informou a polícia. Segundo a emissora de rádio DXMM, de propriedade da Igreja Católica, um dos feridos era um menino de 12 anos, que perdeu ambas as pernas, e um outro era um senhor de 70 anos, que perdeu o braço esquerdo. Segundo o chefe de polícia Hairon Adjirin, as tropas do governo estavam transportando supostos membros da Frente Moro de Libertação Nacional quando estes fugiram para dentro do centro de refugiados. Ele disse que um dos projéteis lançados pelo exército atingiu o centro, que fora montado em uma escola pública na cidade de Paranga para abrigar civis que ficaram sem suas casas devido aos conflitos entre o governo e os rebeldes. Os militares, por sua vez, deram uma versão diferente para o fato. De acordo com o capitão Charlemagne Batavola, do Comando Sul das Filipinas, suas tropas se depararam com cerca de 40 membros de outro grupo rebelde, o extremista Abu Sayyaf. Segundo o militar, dois guerrilheiros foram mortos e dois soldados ficaram feridos na batalha. Os militares não citaram vítimas civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.