Dois condenados à morte são executados nos EUA

Apesar dos pedidos de clemência encaminhados em seu favor por cidadãos e funcionários britânicos, John Elliott, duas vezes condenado por assassinato e que tem cidadania britânica e americana, foi executado no Texas por injeção letal - mesmo método utilizado para a execução de Kenneth Kenley, outro condenado em Missouri. A execução de Elliott foi a sétima em um ano no Texas, e a primeira das duas marcadas para esta semana naquele Estado. Kenley foi o primeiro a ser executado este ano em Missouri e o 60º, desde que foi reimposta a pena de morte no Estado. Entre as tentativas para impedir a execução de Elliott, o próprio chanceler da Grã-Bretanha, Jack Straw, apresentou um pedido de clemência em favor do condenado ao governador do Texas, Rick Perry; igual pedido foi feito por mais de 100 membros do Parlamento britânico, que para isto assinaram uma petição da Câmara dos Comuns. Elliott ainda estava em liberdade condicional enquanto era julgado por acusação de ter matado um homem num bar, em 1982, quando foi detido como membro de uma gangue acusada pelo estupro e assassinato de uma jovem de 18 anos, em 1986. Provas apresentadas durante seu julgamento mostraram que Joyce Munguia, de 18 anos, estava bebendo e cheirando cocaína junto com a gangue e que, ao se afastar do grupo e ameaçar que avisaria a polícia, foi seguida por Elliott, que a espancou com seu cinto de correntes até a morte. Nesta semana, a defesa de Elliott pediu novos testes de DNA na tentativa de provar que pingos de sangue nas roupas da vítima não eram de Elliott e, sim, de outro membro da gangue, condenado a uma pena mais leve. O caso de Elliott - que não foi o primeiro cidadão britânico a ser executado nos EUA - atraiu atenção na Grã-Bretanha, onde a pena de morte foi abolida em 1965. Também houve apelos de última hora em favor de Kenley, dirigidos à Suprema Corte estadual e ao governador de Missouri, Bob Holden - que não surtiram o efeito desejado. O condenado morreu após receber a primeira de três injeções no Centro Correcional de Potosi. A causa de sua condenação, em 1984, foi o assassinato a tiros de Ronald Felts em um bar em Poplar Buff, onde a vítima jogava sinuca com amigos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.