Dois espanhóis continuam reféns da Al-Qaeda

Os dois espanhóis mantidos como reféns desde novembro pelo braço da Al-Qaeda no Norte da África ainda não foram libertados, diferentemente do que foi relatado na mídia, segundo afirmou hoje uma autoridade do governo da Espanha à AFP. A fonte disse que o governo está trabalhando para que se chegue a "um final feliz", mas ponderou que a libertação ainda não ocorreu.

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2010 | 17h21

O jornal El País informou em sua edição online, citando fontes do governo, que Albert Vilalta, de 35 anos, e Roque Pascual, de 50 anos, haviam sido libertados. Eles foram capturados pelo movimento Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQIM) na Mauritânia, em 29 de novembro, juntos a uma terceira refém. Alicia Gamez, de 39 anos, foi solta em março.

De acordo com o El País online, "um avião espanhol está pronto para voar até a área, mas o ponto exato do pouso é desconhecido". Mas o jornal afirmou que as famílias dos reféns e a organização não-governamental Accio Solidario, à qual eles pertencem, também não tinham recebido uma confirmação do resgate. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaAl-Qaedareféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.