Dois jornalistas da Reuters desaparecem na Síria

Produtor e cinegrafista deveriam chegar ontem à noite no Líbano, mas não foram localizados

Reuters,

27 de março de 2011 | 16h18

LONDRES - Dois jornalistas de televisão da agência Reuters estão desaparecidos na Síria desde a noite deste sábado, 26, quando eles deveriam retornar ao Líbano, informou a agência. O produtor Ayat Basma, de Beirute, e o câmera cinegrafista Ezzat Baltaji deveriam ter cruzado o Líbano por uma rodovia por volta das 18h30 deste sábado, onde um táxi os esperariam na fronteira.

 

O último contato feito foi às 17h22, quando Baltaji enviou uma mensagem via celular par Aum colega em Beirute na qual ele diz: "Estamos indo embora agora".

Basma e Baltaji, ambos libaneses, viajaram para a Síria na quinta-feira à tarde. Protestos populares que eclodiram dez dias atrás foram o maior desafio do presidente Bashar al-Assad em 11 anos de governo.

O editor-chefe da Reuters Stephen Adler disse:' Reuters está extremamente preocupada com os dois colegas da TV que desapareceram na Síria neste sábado. Nós entramos em contato com as autoridades compatentes na Síra e pedimos ajuda para que os nossos colegas possam retornar para casa com segurança e salvos'. Um oficial da Síria disse à Reuters neste domingo que as autoridades estão trabalhando para resolver a questão.

Um editor sênior da Reuters planeja viajar para Damasco para discutir formalmente o problema com oficiais da Síria. Basma, que já participou de coberturas na Tunísia, Egito e Iraque, trabalha para a Reuters desde 2007. Baltaji trabalha na empresa desde 2008.

Na sexta-feira, autoridades sírias desmentiram as afirmações do texto do correspondente da Reuters Khaled Yacoub Oweis, dizendo que ele havia feito uma cobertura "não profissional e falsa' dos eventos na Síria.

A Reuters afirmou que manteve sua cobertura da Síria, onde mais de uma semana de protestos se espalharam desde o sul até outros partes do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.