Dois jornalistas iraquianos são mortos no Iraque

Desde 2003, pelo menos 187 jornalistas morreram e 14 permanecem raptados

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h27

Dois jornalistas iraquianos que trabalhavam para uma emissora de televisão sunita foram seqüestrados e mortos no Iraque no mês de junho, segundo a Baghdad TV anunciou nesta quarta-feira, 4. Os assassinatos de Mohammed Hilal Karji e Hamdi al-Hassani foram resultado do mais recente ataque à emissora do vice-presidente sunita, Tareq al-Hashemi, do Partido Islâmico iraquiano. A organização Repórteres Sem Fronteiras, baseada em Paris, denunciou nesta quarta os crimes e pediu que as autoridades protejam jornalistas "para evitar mais tragédias" Karji, de 27 anos, foi raptado em 7 de junho enquanto seguia para o trabalho em Yousifiyah, sul de Bagdá. Seu corpo foi encontrado em um necrotério no dia seguinte, segundo informações da emissora em que ele trabalhava. O outro jornalista, Hassani, de 43 anos, foi retirado de sua casa nos arredores de Bagdá no dia 27 de junho e seu corpo também foi encontrado no dia seguinte. Oficiais não deram mais detalhes do incidente. A Baghdad TV tem sido alvo de ataques nos últimos meses. O atentado mais violento aconteceu no dia 5 de abril, em que um homem-bomba explodiu um caminhão contra as instalações do canal iraquiano. No mesmo incidente, homens armados atacaram e mataram o diretor da rede e seu assistente. A emissora mudou-se para a região de Sulaimaniyah. Antes das mortes de Karji e al-Hassani, pelo menos 187 jornalistas morreram no Iraque desde o início da invasão americana, em 2003. Dois ainda estão desaparecidos e não há notícias de outros 14 seqüestrados.

Mais conteúdo sobre:
Iraque, jornalistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.