Dois membros da Cruz Vermelha são capturados no Afeganistão

No sul do país, ataque de insurgentes contra a Isaf mata dois soldados e fere outros dois

Agência Estado e Agências internacionais,

27 de setembro de 2007 | 05h52

Dois estrangeiros que trabalham para a Cruz Vermelha Internacional foram seqüestrados no Afeganistão depois de terem conversado com militantes sobre a libertação de um refém alemão. Além disso, dois soldados da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) morreram e dois ficaram feridos durante um ataque de insurgentes a uma base. Segundo uma fonte, os dois integrantes do Comitê Internacional da entidade seguiram com dois motoristas afegãos para a Província de Wardak para discutir a soltura de um alemão seqüestrado em julho. Os quatro homens foram capturados na tarde de quarta-feira, informou um funcionário que não quis de identificar. Os dois estrangeiros ajudaram na coordenação das negociações e na libertação de um grupo de 19 religiosos sul-coreanos seqüestrados no mês passado. Ataque O ataque de insurgentes contra uma base da Isaf no sul do país aconteceu na quarta-feira, segundo um comunicado oficial. O local exato, as circunstâncias e a nacionalidade das vítimas não foram informados. "A missão da Isaf para criar um futuro melhor na República Islâmica do Afeganistão continuará apesar dos perigos", disse um porta-voz, Antony McCord. No sul do Afeganistão, uma das áreas mais conflituosas do país, está o grosso dos contingentes britânico, canadense e holandês. Os combates, bombardeios e atentados causaram a morte de mais de 4.100 pessoas este ano em todo o país.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoCruz Vermelhaataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.