Dois milhões de egípcios voltam à praça Tahrir para celebrar 'Dia da Vitória'

Em sermão, clérigo pede que Exército afaste colaboradores de Mubarak e que jovens mantenham a união

estadão.com.br

18 de fevereiro de 2011 | 08h13

Centenas de pessoas se reúnem no centro do Cairo para 'Dia da Vitória'. Foto: Khalil Hamra/AP

 

Atualizada às 10h29

CAIRO - Ao menos 2 milhões de egípcios se reuniram durante as preces de sexta-feira na praça Tahrir, no Cairo, para celebrar o "Dia da Vitória", uma semana depois da renúncia do presidente Hosni Mubarak. Eles agitavam bandeiras do país e rezavam em agradecimento à derrubada do ex-ditador.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Cronologia: O dia a dia da crise egípcia

video TV Estadão:  Alegria nas ruas do Cairo

blogArquivo: A Era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

listaBastidores: As últimas horas de Mubarak

 

O xeque Yousef al-Qaradawi, clérigo sunita baseado no Qatar e próximo da Irmandade Muçulmana,  pediu no sermão que a junta militar que governa temporariamente o país afaste antigos funcionários do governo de Mubarak. "Peço que o Exército egípcio nos liberte do governo formado por Mubarak", disse. "Não queremos ver os mesmos rostos ligados à corrupção e à violência"

 

O clérigo pediu ainda que a juventude egípcia proteja a revolução. "Cuidado com os que querem nos dividir e corromper nossa irmandade", disse. "Aqui na Tahrir, muçulmanos e cristãos ficaram lado a lado. Esta revolução triunfou sobre o faraó. Quando o Egito acredita, desafia o faraó".  

 

Desde a tarde de ontem, o ambiente na praça e nos arredores era festivo e podiam ser vistos vários postos que vendiam bandeiras e cartazes que louvavam o que os egípcios não duvidam em chamar de revolução.

 

O presidente Mubarak renunciou ao cargo no último dia 11, após 30 anos no poder, e cedeu a autoridade ao Conselho Supremo das Forças Armadas, após 18 dias de protestos em várias cidades do país em que morreram 365 pessoas. Durante estes dias, a Praça Tahrir (Libertação, em árabe) se transformou em símbolo da resistência dos manifestantes.

Leia ainda:

linkNo Bahrein, 15 mil pedem a queda da monarquia

linkMilitares ocupam segunda maior cidade da Líbia

Com Efe e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMubarakmanifestações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.