Noor Khamis/ Reuters
Noor Khamis/ Reuters

Dois militantes morrem em confronto com militares em shopping no Quênia

Operação contra radicais somalis que mataram 68 pessoas deve acabar logo, estima governo

O Estado de S. Paulo,

23 Setembro 2013 | 10h01

(Atualizada às 16h50) O ministro do Interior do Quênia, Joseph Ole, disse que ao menos dois militantes do grupo radical Al-Shabab morreram em confronto com tropas de elite do Exército no shopping Westgate, ocupado por terroristas somalis desde sábado em Nairóbi, capital do Quênia. Ao menos quatro explosões foram ouvidas pela manhã enquanto os militares tentam retomar a parte do prédio ainda em poder dos invasores.

"Acreditamos que a operação deve acabar logo", disse o ministro  em uma coletiva de imprensa. "Estamos no controle de todos os pisos, os terroristas estão fugindo e se escondendo em alguns andares... Não há espaço para fuga".

Seguundo o comandante do Exército queniano, Julius Karangi, militantes de diversas nacionalidades participam do atentado, que deixou até agora 69 mortos e 175 feridos. As autoridades quenianas garantem que a maior parte dos reféns mantidas pelo grupo de até 15 terroristas já foi libertada, mas ainda há vítimas em poder dos sequestradores.

Forças quenianas retiraram mais pessoas durante a noite do shopping Westgate onde militantes islâmicos mantêm reféns, e as tropas estão aproximando-se dos sequestrados, disse o inspetor de polícia David Kimaiyo.

Autoridades quenianas disseram ter conseguido isolar os homens armados dentro do shopping e desde a noite de domingo afirmam que a operação está na reta final.

Ameaça global. O presidente da Somália, Hassan Sheikh Mohamud, afirmou que a ameaça representada pelo Al-Shabab é global e não apenas limitada a seu país. Ele fez o comentário durante discurso na Universidade Estadual de Ohio ao falar sobre o ataque ao shopping.

Segundo Mohamud, relatos apontando que alguns dos participantes da ação são somalis que viviam nos Estados Unidos ilustram a natureza global do Al-Shabab./ AP e REUTERS

Vídeo mostra o que seria o momento do ataque no shopping:

Mais conteúdo sobre:
Quênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.