Dois mortos em explosão de bomba em Bogotá

No primeiro atentado na capital colombiana desde a posse do presidente Alvaro Uribe em agosto, um poderoso carro-bomba explodiu nesta terça-feira perto de instalações da polícia em Bogotá, deixando, até o início desta tarde, dois mortos, mais de 30 feridos e sérios danos materiais. O chefe da Polícia Nacional, Teodoro Campo, disse que na explosão morreram um auxiliar da instituição e um empregado do lava-rápido de carros onde ocorreu o atentado. A Prefeitura de Bogotá havia informado que uma mulher também havia falecido, mas depois se confirmou que ela continua sob cuidados intensivos. O prefeito Antanas Mockus assegurou ao canal de televisão RCN que "se supõe que a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)" esteja por trás do atentado. A carga explosiva havia sido colocada em um táxi estacionado em um lava-rápido próximo às instalações da Polícia Metropolitana e do Departamento de Polícia Judiciária. Segundo o diretor da Polícia Metropolitana, general Jorge Daniel Castro, aparentemente a bomba continha 50 quilos de explosivos.Três veículos foram destruídos e os vidros dos edifícios próximos foram quebrados com o impacto da explosão, ocorrida às 7h30 da manhã (hora local).Técnicos antiexplosivos chegaram ao local para verificar se havia mais bombas na área, enquanto ambulâncias retiravam os feridos e um helicóptero da polícia sobrevoava a área.De início, a explosão, que ocorreu a dez quarteirões do Palácio Presidencial, não foi atribuída a nenhum grupo. Por ordem da ministra da Defesa, Martha Lucía Ramírez, cerca de 500 policiais, incluindo comandos urbanos antiterroristas, saíram para dar buscas em setores populosos de Bogotá, onde operam grupos armados ilegais e gangues de criminosos. "Vamos realizar diligências especiais em busca dos terroristas, e vamos ver quem ganha", disse Castro.Ao mesmo tempo, alguns moradores da periferia - como Juana María Ramírez, do bairro de Sibaté - se queixavam dessas operações improvisadas: "Só se preocupam conosco quando há problemas. Por quê não vêm antes?", perguntou.O governo estabeleceu uma recompensa em valor equivalente a US$ 35.700 para quem der informações que permitam capturar os autores do atentado, dos quais já há retratos falados. Os últimos atentados terroristas que sacudiram Bogotá aconteceram em 7 de agosto, quando as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) tentaram sabotar a posse do presidente Alvaro Uribe.Naquela ocasião, 21 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.