EFE/Miguel Gutiérrez
EFE/Miguel Gutiérrez

Dois municípios venezuelanos terão nova eleição para Constituinte

Votação será realizada no dia 13 em Miranda, no Estado de Mérida, e Francisco de Miranda, em Táchira, para definir os 7 representantes que faltam para o total de 545

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2017 | 08h37

CARACAS - O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela realizará novamente no dia 13 a eleição para a Assembleia Nacional Constituinte em dois municípios para definir os 7 representantes que faltam para o total de 545, informou na quinta-feira 3 a presidente do órgão, Tibisay Lucena.

Segundo ela, o diretório do CNE estudou vários casos de municípios onde foram registrados episódios de violência no domingo em meio à votação original.

Apesar de o chavismo ter solicitado a repetição das eleições em 5 dos 335 municípios do país, a CNE aprovou o processo apenas para os eleitores das cidades de Miranda, no Estado de Mérida, e Francisco de Miranda, em Táchira, ambas no oeste do país.

Nestas jurisdições serão escolhidos dois representantes mediante a modalidade territorial - um para cada uma delas. Serão esperados os resultados das duas para definir os ganhadores de cinco cadeiras por meio da votação setorial: quatro pelo grupo dos aposentados e um pelo dos empresários.

Os integrantes da Assembleia Constituinte foram eleitos por votação territorial, um em cada município e dois por cada capital de Estado, e por votação setorial, na qual grupos formados por estudantes, trabalhadores rurais e funcionários públicos, entre outros, elegeram seus representantes.

A oposição venezuelana não participou da disputa por considerá-la fraudulenta. Diversos governos rejeitaram o resultado da votação e endureceram as críticas depois que a empresa responsável pela recontagem de votos no país, a Smartmatic, denunciou que houve manipulação nos dados de participação popular

A instalação da Assembleia Constituinte está prevista para esta sexta-feira, 4, na sede do Parlamento, de maioria opositora. Manifestações foram marcadas em várias partes do país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.