Dois palestinos e um israelense mortos em Israel

Um suposto militante islâmico morreu hoje na explosão de um carro e vários soldados palestinos dispararam contra um colono judeu em uma emboscada numa rua da Cisjordânia. Tais mortes desencadearam tiroteios, incluindo disparos efetuados por tanques israelenses. Também hoje, um palestino morreu nas mãos de soldados israelenses depois de lançar uma granada contra militares que tentavam desativar uma bomba na Faixa de Gaza. O grupo islâmico Hamas reivindicou o ataque.A violência faz parte de uma escalada dos conflitos no Oriente Médio, que persistem apesar da mediação dos Estados Unidos para que seja imposta uma trégua. A última série de eventos começou pouco antes da meia-noite, quando residentes de Kiryat Arba, um assentamento judaico próximo a Hebron, examinavam o local onde foi ferido um motorista israelense. Os moradores se encontravam nas ruas, nas proximidades de Hebron, foram alvo de disparos. O vereador Hezi Mualem morreu e um segundo homem foi ferido.O ataque desencadeou um tiroteio que durou toda a manhã de hoje. Vinte e três palestinos ficaram feridos. Testemunhas afirmaram que os tanques israelenses atacaram edifícios palestinos e incendiaram um deles. À tarde, Fawaz Badran, um membro da ala militar do Hamas, morreu na Cisjordânia quando um automóvel estacionado em frente ao local onde trabalhava explodiu, disseram fontes palestinas. Depois da explosão, os palestinos dispararam contra um posto da guarda israelense. Segundo testemunhas, ninguém ficou ferido.Em Roma, o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, advertiu que a resposta militar será do mesmo nível que os ataques palestinos. Os palestinos acusam Israel pela política de assassinar palestinos apenas pela suspeita de serem militantes. Mais de 24 destes já foram assassinados por soldados israelenses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.