Dois rebeldes morrem em combates nas Filipinas

10 soldados do Exército filipino ficaram feridos

EFE

25 de maio de 2008 | 04h47

Dois rebeldes muçulmanos morreram e 10 soldados do Exército filipino ficaram feridos neste domingo em um confronto na região de Mindanao, no sul das Filipinas, informaram fontes militares. O choque armado aconteceu quando guerrilheiros da Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI) armaram uma emboscada para um comboio do Exército no trecho da localidade Tipo-Tipo, na ilha de Basilan. O general Benjamin Dolorfino, chefe do comando militar da região de Mindanao, disse que os guerrilheiros do FMLI foram apoiados por militantes do Abu Sayyaf, grupo islâmico radical que o Governo filipino vincula com a rede terrorista al Qaeda. O chefe da equipe do FMLI que negocia a paz com o Governo de Manila, Mohagher Iqbal, acusou as tropas governamentais de atacar suas posições em Mindanao. Em dezembro do ano passado, as negociações ficaram estagnadas pela recusa dos rebeldes a que qualquer solução que se submeta à Constituição das Filipinas, não reconhecida pelo movimento. Fundado em 1978, o FMLI é a maior organização separatista das Filipinas com mais de 12.000 guerrilheiros, muitos dos quais também cometem atentados e combatem o Exército apesar do cessar-fogo, em teoria vigente desde 2003. Quase quatro décadas de guerra contra as tropas governamentais deixaram 120.000 mortos e cerca de dois milhões de deslocados em uma das áreas mais pobres do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.