Dois são detidos por atentado a hotel em Cabul

Pelo menos sete pessoas morreram na explosão seguida por um tiroteiro na segunda-feira

Efe,

15 de janeiro de 2008 | 07h58

Dois dos supostos responsáveis do atentado taleban cometido na segunda-feira, 14, contra o luxuoso hotel Serena de Cabul, no qual morreram sete pessoas, foram detidos, informou nesta terça o chefe dos serviços de inteligência afegãos, Amrullah Saleh.   Em entrevista coletiva, Saleh disse que foram detidos um dos quatro agressores e um afegão "facilitador" do atentado, que teria levado o grupo em um veículo até a entrada do hotel. Ele foi detido quando tentava fugir. Saleh revelou os detalhes do ataque, que aconteceu em várias fases: um dos agressores detonou a carga explosiva que levava junto ao corpo na entrada do hotel; um segundo foi morto pelos serviços de segurança e o terceiro se suicidou na porta do estabelecimento.   O quarto, que, assim como seus companheiros, estava com o uniforme da polícia, conseguiu entrar no hotel. Armado com um fuzil AK-47, ele foi até o saguão e abriu fogo contra vários estrangeiros, antes de ser detido. Segundo Saleh, três americanos, um francês, um norueguês, um filipino e um oficial de segurança afegão morreram no ataque, no qual outras seis pessoas ficaram feridas.   Minutos depois do ataque, as forças de segurança detiveram o agressor dentro do hotel e se basearam em sua confissão para chegar até o "facilitador", Homayon, detido no oeste de Cabul. Saleh disse que Homayon estava junto na divisa de Cabul e Jalalabad, e que seu propósito era fugir para o Paquistão. Homayon tinha fornecido os coletes com bombas para o ataque. A polícia encontrou em sua casa um vídeo no qual os agressores explicavam seu plano contra o hotel.   O ministro de Exteriores norueguês, Jonas Gahr Store, estava hospedado no hotel na segunda-feira, mas escapou ileso. Ele decidiu nesta terça suspender a visita oficial que fazia ao Afeganistão. Store se reunirá com o presidente afegão, Hamid Karzai, e depois voltará para a Noruega. A visita programada a Maimana, no interior do Afeganistão, onde a Noruega participa de um projeto regional de reconstrução, foi suspensa.   O secretário-geral da ONU, o sul-coreano Ban Ki-moon, se disse "muito surpreso" com o ataque, cuja autoria foi assumida pelos insurgentes taleban. Já a Austrália decidiu mudar o endereço da sua embaixada no Afeganistão, que funcionava no hotel atacado.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.