Dois soldados israelenses mortos, nove palestinos feridos

Um atirador palestino, com o rifle embrulhado num tapete usado para preces, caminhou até um checkpoint da Cisjordânia e matou dois soldados israelenses à queima-roupa, hoje, apenas um dia depois de os dois lados começaram a caminhar para um processo de trégua.O major Shlomi Belski foi seriamente ferido enquanto conversava com sua mão por telefone. Ela ouviu os tiros e sua evacuação para o hospital, segundo reportou a Rádio Israel. Belski morreu a caminho. O outro soldado morreu instantaneamente.Os soldados israelense atiraram contra o assaltante, que conseguiu fugir num carro. Nenhum grupo palestino assumiu a responsabilidade pelo ataque.Na Faixa de Gaza, tropas fizeram uma ataque repentino a um campo de refugiados, começando uma batalha que redundou em nove palestino feridos, um em estado crítico, e um soldado israelense.Apesar dessa retomada de lutas, os primeiros-ministros israelense e palestino encontram-se na semana que vem, segundo confirmou o ministro do Exterior de Israel, Silvan Shalom, em Bruxelas, depois de um encontro com o secretário de Estado Colin Powell.Mas, segundo Hassan Abu Libdeh, um alto assessor do primeiro-ministro palestino, Ahmed Kureia, não há data estabelecida. ?Gostaríamos que o governo palestino tivesse bastante tempo para preparar-se para um bom encontro, com resultados reais, ao invés de engajar-se numa campanha de relações públicas, disse.Enquanto isso, os esforços do representante egípcio em direção a uma trégua parecem progredir, com o mediador e Kureia planejando encontrar-se, separadamente, em Gaza, na quarta-feira, com líderes de grupos militantes.O Egito propõe que Israel suspenda todas operações militares na Cisjordânia e Faixa de Gaza e que os grupos militantes palestinos parem com os ataques aos israelense.No passado, Israel rejeitara essas propostas, dizendo que suspenderia as operações militares apenas se as forças de segurança palestinas acabassem com os grupos armados. O mediador egípcio, chefe da inteligência Omar Suleiman, porém, disse ontem que recebeu sinais positivos do governo israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.