AFP PHOTO / MARCOS PIN MENDEZ
AFP PHOTO / MARCOS PIN MENDEZ

Dois terremotos atingem região litorânea do Equador

Governo equatoriano informou que não houve alerta de tsunami e que não foram reportados danos materiais ou vítimas

O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2016 | 09h09

QUITO - Dois fortes terremotos sacudiram o Equador na madrugada desta segunda-feira, 11, com epicentro registrado na região litorânea que foi castigada em meados de abril por um potente tremor. Desta vez, eles foram sentidos em cidades distantes como a portuária de Guayaquil e as andinas de Quito e Riobamba.

O Instituto Geofísico (IG) da Escola Politécnica Nacional informou em sua conta no Twitter que, de maneira preliminar e sujeito à revisão, o primeiro terremoto ocorreu às 21h01 locais (23h01 em Brasília), atingiu 5,9 graus de magnitude e se originou a cerca de 8 quilômetros de profundidade.

Este terremoto foi localizado a cerca de 15 quilômetros do povoado de Muisne, no sul da Província de Esmeraldas, uma das regiões mais afetadas pelo tremor de 7,8 graus de magnitude ocorrido no dia 16 de abril.

Dez minutos depois, um segundo terremoto de 6,2 graus na escala Richter foi registrado na mesma região, segundo o IG.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, afirmou à Televisão Pública do Equador que suspenderá nesta segunda-feira as aulas nas províncias litorâneas de Esmeraldas e Manabí.

Correa confirmou que não houve alerta de tsunami e que, por enquanto, também não foram reportados danos materiais ou vítimas.

O presidente afirmou que foi ativado o Comitê de Operações de Emergência (COE) em Esmeraldas para atender a situação. Ele também disse que vários povoados do sul da província sofreram cortes de energia, e que as instituições correspondentes já trabalham para restabelecer o serviço.

"Estamos atravessando épocas difíceis, a natureza está nos colocando a toda prova", disse Correa. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorTerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.