AFP
AFP

Dois texanos e uma argentina estão entre mortos de queda de helicóptero em NY

Momentos antes da queda, ocorrida na noite de domingo, o piloto enviou um pedido de socorro pelo rádio dizendo que o motor havia parado

O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 16h57

NOVA YORK- Um bombeiro e um cinegrafista do Estado norte-americano do Texas e uma turista argentina estão entre os cinco passageiros que morreram quando um helicóptero de passeio caiu nas águas geladas do rio East, na cidade de Nova York, informaram a polícia e a mídia nesta segunda-feira,12. Só o piloto Richard Vance, de 33 anos, sobreviveu.

 Momentos antes da queda, ocorrida na noite de domingo, o piloto enviou um pedido de socorro pelo rádio dizendo que o motor havia parado. O helicóptero vermelho caiu na água e virou de cabeça para baixo perto das 19h locais próximo do extremo norte da Ilha Roosevelt, ao leste de Manhattan. 

+ Queda de avião no Nepal deixa ao menos 50 mortos, diz porta-voz do Exército

Investigadores da Comissão Nacional de Segurança nos Transportes inspecionaram os destroços na manhã desta segunda-feira enquanto avaliavam o acidente. Entre os mortos estão Brian McDaniel e Trevor Cadigan, ambos de Dallas, no Texas. A argentina Carla Vallejos Blanco também morreu, de acordo com o Departamento de Polícia de Nova York. As autoridades não quiseram divulgar os nomes das outras duas vítimas até que suas famílias sejam notificadas.

Cadigan publicou um vídeo em sua conta de Instagram mostrando o que parecia ser ele e outros sorrindo quando decolaram na manhã de domingo. McDaniel era bombeiro e Cadigan um cinegrafista de imprensa, noticiou o jornal New York Daily News, citando policiais não identificados. Os outros dois passageiros mortos eram funcionários da empresa de helicópteros, segundo o jornal.

+ Equipes de resgate encontram destroços do avião que caiu no Irã

Ao menos dois dos passageiros estavam mortos quando mergulhadores de resgate chegaram ao local, disseram autoridades da polícia e dos bombeiros. Os outros três, que tiveram que ser retirados dos cintos de segurança, tiveram suas mortes decretadas em um hospital. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.