Dois turistas dizem ter visto Madeleine no Marrocos dias após desaparecimento

Pais da menina estão "furiosos" com o fato de a Polícia portuguesa não ter ido atrás das pistas

Efe,

23 de setembro de 2007 | 09h42

Madeleine McCann, a menina britânica de 4 anos que desapareceu em 3 de maio no sul de Portugal, foi vista por duas pessoas na cidade de Marrakech, no Marrocos, segundo várias publicações do Reino Unido. Um turista britânico entrou em contato com a Polícia portuguesa para dizer que tinha visto uma menina que se parecia muito com Madeleine num posto de gasolina da localidade, informam neste domingo os tablóides "Sunday Mirror" e "News of the World". O testemunho do homem coincide com o da turista norueguesa Marie Pollard, que se disse convencida de que viu Madeleine no Marrocos. Aos jornais, a norueguesa se disse surpresa com o fato de que, mais de quatro meses depois do sumiço da menina, a Polícia ainda não lhe fez nenhuma pergunta. "Se esta outra pessoa também viu Madeleine, reforça o que eu mesma vi e demonstra que não estou ficando louca", disse Pollard,que vive com seu marido britânico no sul da Espanha. Ambas as testemunhas disseram ter visto uma menina loira que, acompanhada de um homem, perguntava onde estava sua mamãe. Um amigo da família de Kate e Gerry McCann, os pais de Madeleine, disse à imprensa que esses testemunhos são vitais. Os McCann estão "furiosos" com o fato de a Polícia portuguesa não ter seguido essa pista. "O casal acha que a informação das duas testemunhas é crucial e deveria ter vindo a público imediatamente", disse o amigo. Depoimentos O turista britânico, que não é identificado pela imprensa, estava hospedado num hotel da rede Ibis, o mesmo no qual a visitante norueguesa estava com seu marido e que fica próximo ao posto de gasolina onde a menina teria sido vista. Pollard, que havia ido comprar água mineral na loja de conveniência, diz que, no dia em questão, ainda não sabia do desaparecimento de Madeleine. "A menina me chamou a atenção imediatamente. Ela tinha os cabelos louros e um rosto muito simpático. Vestia um pijama azul com flores rosas e brancas na camisa, se não me engano", afirmou a norueguesa aos jornais. "Do lado dela havia um homem. Ela parecia triste e como se estivesse perdida. O homem tinha entre 35 e 40 anos, cabelo castanho escuro, e não parecia seu pai", acrescentou. "Ela me olhou e depois disse ao homem algo como 'Vou poder ver minha mãe logo?'", sem que ele tenha lhe respondido, disse a turista. Pollard conta que ligou para a Polícia portuguesa no dia seguinte, mas que só dez dias depois telefonaram de volta para pedir detalhes, ainda assim, porque disse à imprensa o que tinha visto. "Um funcionário da Interpol me telefonou e me perguntou algumas coisas, e isso foi tudo", declara a testemunha. Por sua vez, um amigo da família disse ao "Sunday Mirror" que a Polícia portuguesa está seguindo uma teoria totalmente extravagante: a de que os pais de Madeleine enterraram a menina perto de Fátima. Os McCann, que visitaram esse santuário português 20 dias depois do desaparecimento da filha, estão estupefatos com essa nova história, segundo a publicação.

Tudo o que sabemos sobre:
Madeleine

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.