Dominicanos escaparam dos atentados mas morreram na queda de avião

O jovem dominicano Félix Sánchez, ex-operador de bolsa da Merryll Lynch que conseguiu escapar à tragédia das Torres Gêmeas em 11 de setembro, morreu no vôo 587 que devia levá-lo à República Dominicana - onde tinha a intenção de iniciar uma nova carreira. Também Hilda Yolanda Mayor, uma jovem de 26 anos, salvou-se em 11 de setembro ao conseguir escapar do restaurante do primeiro andar das Torres Gêmeas, onde trabalhava. Mayor regressava ontem a São Domingos para passar férias com sua mãe e dois filhos que haviam viajado para seu país há duas semanas. Félix Sánchez, de 28 anos, havia sido despedido da Merrill Lynch em 10 de setembro, e por isso não se encontrava no escritório quando as instalações da empresa foram destruídas pelo atentado. "Ele estava convencido de ter começado uma segunda vida após ter sobrevivido à tragédia nas Torres", comentou Cid Wilson, uma amigo de Sánchez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.