Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

EUA, Canadá e Reino Unido dizem que Boeing foi abatido por míssil em Teerã

Avião comercial ucraniano levava 176 a bordo quando desapareceu dos radares, três minutos após decolar da capital iraniana com destino a Kiev e poucas horas depois de o Irã lançar mísseis contra bases utilizadas pelos americanos no Iraque

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2020 | 14h18
Atualizado 10 de janeiro de 2020 | 01h46

WASHINGTON - O acidente com o Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines (UIA) foi cercado de suspeitas desde que ele caiu em Teerã, na quarta-feira, poucas horas após o lançamento de mísseis iranianos contra bases usadas pelos EUA no Iraque. Nesta quinta-feira, 9, autoridades americanas, canadenses e britânicas disseram que o avião foi abatido por engano por um foguete do Irã. Ele explodiu três minutos após decolar com 176 pessoas a bordo. Ninguém sobreviveu.

Ainda nesta quinta-feira, o site do jornal New York Times publicou um vídeo gravado por um celular que mostra a explosão do que parece ser um avião no céu de Teerã. “Alguém pode ter cometido um erro”, disse o presidente americano, Donald Trump. “Dizem que foi uma falha mecânica. Pessoalmente, não acredito que isso esteja sequer em questão. Acho que alguma coisa terrível aconteceu.”

Funcionários americanos disseram à rede CNN que o avião teria sido atingido por dois mísseis terra-ar. Um memorando publicado pela IHS Markit, empresa britânica de análises, afirmou que o Boeing “provavelmente foi derrubado por um míssil Tor-M1 da Guarda Revolucionária”. Fontes dos serviços de inteligência do Reino Unido confirmaram a informação ao jornal Guardian. Imagens de destroços de um Tor-M1 – supostamente capturadas no local da queda – circularam hoje na internet.

Na tarde de hoje, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, foi à TV anunciar que o voo 752 da UIA havia sido derrubado por um míssil do Irã. “Temos informação de múltiplas fontes, incluídos aliados e serviços de inteligência, indicando que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano. Pode ser que não tenha sido intencional.”

A revista Newsweek, a CBS e a CNN citaram autoridades não identificadas dizendo que estão cada vez mais confiantes de que os sistemas iranianos de defesa aérea derrubaram acidentalmente a aeronave, com base em dados de satélite, radar e equipamentos eletrônicos. 

Autoridades iranianas dizem que acusações são 'ilógicas'

Autoridades iranianas rejeitaram o que chamaram de “rumores ilógicos” sobre a queda do Boeing. “Vários voos nacionais e internacionais estavam no espaço aéreo iraniano ao mesmo tempo à mesma altura de 8 mil pés. Essa história do ataque com mísseis no avião não pode estar correta”, afirmou o Ministério da Transporte do Irã, em comunicado. 

“É cientificamente impossível que um míssil tenha atingido o avião”, disse Ali Abedzadeh, chefe da agência de aviação civil do Irã.

Hassan Rezaeifar, que preside o comitê de investigações de acidentes aéreos, afirmou que a hipótese de um míssil ter causado o acidente “havia sido descartada”. “Não faz sentido. O piloto estava tentando voltar para o aeroporto. Nenhuma parte de míssil foi encontrada perto do local.”

Desde o início, o que alimentou as suspeitas foi o horário da queda, às 6h15 (22h45 de terça-feira, no horário de Brasília), três minutos após decolar do aeroporto de Teerã com destino a Kiev – três horas depois de o Irã começar um ataque às bases iraquianas, uma resposta ao ataque dos EUA que matou o general Qassim Suleimani, um dos mais importantes funcionários do governo da nação persa. Os pilotos não relataram falha ou problemas na aeronave antes de o avião sumir dos radares. O Boeing havia passado por uma revisão no dia 6.

Para Entender

Quem era Qassim Suleimani, general assassinado em ataque dos EUA

Militar conseguiu costurar importantes alianças dentro e fora do Oriente Médio

Segundo a emissora CBS, que cita funcionários do governo dos EUA, satélites americanos captaram dois mísseis sendo lançados pouco antes de o avião explodir em Teerã. Já a revista Newsweek, que conversou com integrantes do alto escalão do Pentágono e do Exército do Iraque, diz que o avião foi atingido por um dos mísseis do sistema antiaéreo do Irã em um possível erro.

A revista também reforça a tese de que seria um Tor-M1, de fabricação russa, conhecido como Gauntlet pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Na avaliação do Pentágono, o disparo que atingiu o Boeing 737-800 foi acidental.  

Irã convida países para investigação

Inicialmente, autoridades do Irã disseram que não entregariam à Boeing e a investigadores americanos as caixas-pretas da aeronave. Normas internacionais, no entanto, preveem que as investigações devem ser acompanhadas pelo país fabricante da aeronave (EUA), o país de destino (Ucrânia) e países que tiveram cidadãos envolvidos na tragédia – no acidente, morreram 63 canadenses. Hoje, o governo iraniano mudou de ideia e convidou americanos, ucranianos e canadenses para participarem das investigações. A Junta Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA (NTSB) anunciou que participará das investigações. / AP, NYT, REUTERS e WP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.