EFE/Ron Sachs / POOL
EFE/Ron Sachs / POOL

Donald Trump ironiza Joe Biden por acusações de assédio

'Bem-vindo ao mundo, Joe. Você está se divertindo, Joe?', ironizou o presidente americano em evento de arrecadação de fundos para o Partido Republicano

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2019 | 15h59

O presidente Donald Trump ridicularizou o ex-vice-presidente Joe Biden por causa das acusações de que ele “tocou mulheres de forma inadequada”. “Eu ia dizer: 'Bem-vindo ao mundo, Joe. Você está se divertindo, Joe? ”, afirmou Trump, em uma prévia dos ataques que Biden pode enfrentar se ele se lançar candidato à disputa presidencial de 2020.

Durante um discurso em uma campanha de arrecadação de fundos para o Comitê Republicano Nacional do Congresso, Trump contou uma conversa que teve com um general. “Eu disse: 'General, me dê um beijo'. Eu me senti como Joe Biden. Mas eu quis mesmo dizer isso”, afirmou Trump, provocando risos da multidão.

Em outro ponto de seus comentários, Trump mencionou a corrida para a Casa Branca em 2020 e disse que o único candidato democrata que não é socialista está "sendo bem cuidado pelos socialistas" - um aceno às alegações não comprovadas de alguns defensores de Biden de que as acusações recentes contra ele estão sendo impulsionadas por seus rivais políticos, a maioria da ala mais à esquerda do Partido Democrata, como Bernie Sanders. 

Ao menos 12 mulheres acusaram Trump de má conduta sexual. A acusação mais recente veio em fevereiro, quando Alva Johnson, ex-membro da campanha presidencial de Trump, disse que Trump a beijou contra sua vontade em 2016. Trump negou todas as acusações contra ele.

As ironias  de Trump são um sinal do perigo político para Biden no momento em que ele se aproxima de um anúncio sobre uma potencial candidatura presidencial em 2020. O ex-vice-presidente há muito é conhecido por seu estilo físico, mas a adequação de seu comportamento em relação às mulheres está cada vez mais sob escrutínio.

Na semana passada, Lucy Flores, uma ex-legisladora do Estado de Nevada, escreveu um ensaio no qual ela disse que Biden a abordou por trás durante uma campanha de 2014, colocou as mãos nos ombros e plantou um “grande beijo lento” na parte de trás da cabeça dela. Na segunda-feira, Amy Lappos, ex-assessora parlamentar do deputado Jim Himes (D-Conn.), disse que Biden colocou a mão em volta do pescoço dela e esfregou os narizes com ela em um evento de arrecadação de fundos para 2009.

Mais duas mulheres, Caitlyn Caruso e D.J. Hill também acusaram Biden de tocá-las de forma inadequada, informou o New York Times na noite de terça-feira. No domingo, Biden por meio de um comunicado que ele ofereceu "inúmeros apertos de mão, abraços, expressões de afeto, apoio e conforto" durante seus anos na vida pública, "e nem uma vez - nunca - eu acredito que agi de forma inadequada."/ Washington Post

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.