Osservatore Romano/via Reuters
Osservatore Romano/via Reuters

No Vaticano, Trump e papa Francisco falam sobre alcançar a paz mediante negociação política

Durante a conversa, segundo nota da Santa Sé, foi constatada 'a satisfação pelas boas relações bilaterais existentes' com os EUA; republicano presenteou pontífice com uma série de livros de Martin Luther King

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2017 | 04h45
Atualizado 24 Maio 2017 | 11h48

CIDADE DO VATICANO - O papa Francisco recebeu nesta quarta-feira, 24, no Vaticano pela primeira vez o presidente dos EUA, Donald Trump. Os dois mantiveram um diálogo "cordial" no qual falaram sobre a "promoção da paz no mundo" mediante negociação política, segundo comunicado da Santa Sé.

O Vaticano indicou que na conversa, realizada na biblioteca papal e que teve 27 minutos de duração, Trump e Francisco "trocaram pontos de vista sobre alguns temas relacionados à atualidade internacional e à promoção da paz no mundo".

O comunicado apontou que isso pode ser alcançado "mediante a negociação política e o diálogo interreligioso, com especial referência à situação no Oriente Médio e à proteção das comunidades cristãs". Durante a conversa foi constatada "a satisfação pelas boas relações bilaterais existentes entre a Santa Sé e os EUA", acrescentou o Vaticano.

Além disso, Trump e Francisco manifestaram o "empenho comum a favor da vida e da liberdade religiosa e de consciência". "Obrigado, obrigado. Não esquecerei o que me disse", afirmou o americano ao papa ao final do encontro.

A Santa Sé indicou que na reunião foi constatada uma "serena colaboração entre o Estado e a Igreja Católica nos EUA, dedicada ao serviço das populações nos âmbitos da saúde, educação e assistência aos imigrantes".

Ao fim do encontro, Trump apresentou a delegação que o acompanhava, incluindo sua filha Ivanka. O papa Francisco aproveitou a oportunidade para presentear o presidente americano com um texto emblemático sobre a paz.

O documento, com o título "A não violência, estilo de uma política para a paz", escrito pelo pontífice em razão da Jornada Mundial da Paz 2017, foi entregue pessoalmente por ele ao republicano. "Espero que seja um instrumento de paz", disse em espanhol a Trump, que respondeu: "Vou ler".

"Precisamos de paz", disse Trump em inglês, que presenteou o papa com uma série de livros de Martin Luther King, o pastor americano e ativista dos direitos civis dos afro-americanos. "Acredito que vai gostar. Espero", disse ele.

O pontífice, que no início do encontro parecia sério, se mostrou cordial e sorridente durante a audiência e chegou até a brincar com Melania sobre a altura do marido, que tem mais de 1,90 metro. "Mas, o que você dá para ele comer?", perguntou, sorrindo.

Mais cedo, o presidente americano e sua mulher, Melania, percorreram as suntuosas salas do Vaticano seguidos pelos representantes das famílias nobres italianas, como é tradição para as visitas de chefes de Estado.

Trump ainda deve visitar a Capela Sistina e a Basílica de São Pedro. Depois, ele seguirá para Bruxelas, onde comparecerá a uma cúpula da Otan na quinta-feira. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.