Dono de crematório confessa ter jogado fora 300 corpos

O ex-operador de crematório Ray Brent Mash declarou-se culpado de jogar fora 334 cadáveres e entregar às famílias pó de cimento em vez das cinzas. Mash é acusado de 787 crimes, entre roubo, vilipêndio de cadáver, fraude funerária e falsidade ideológica. A sentença será emitida em 31 de janeiro. Em troca das confissões, Marsh espera não ser condenado a mais de 12 anos.Acredita-se que Marsh tenha parado de cremar corpos em 1997, quando assumiu o negócio da família. Com base numa denúncia anônima, em 2002 a polícia encontrou mais de 300 corpos na propriedade - espalhados por um bosque, em construções, amontoados em câmaras mortuárias e atrás da casa de Marsh.Parentes enganados processaram Marsh por uma indenização de US$ 80 milhões. Um processo contra casas funerárias que terceirizavam serviços para Marsh foi fechado numa indenização de US$ 36 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.