Dono de supermercado acusa gerente morto por tragédia

Um dos donos do supermercado paraguaio incendiado no domingo acusou um de seus gerentes, que morreu na tragédia, de ter ordenado o fechamento das portas do estabelecimento, impedindo a fuga de vítimas. O incêndio causou a morte de pelo menos 464 pessoas. Daniel Paiva, filho do proprietário do supermercado incendiado, apresentou-se ao Palácio de Justiça e, antes de ser interrogado por um juiz, disse a jornalistas que o responsável pelo fechamento das portas da loja foi o gerente que faleceu no incêndio. "O gerente Vicente Ruiz estava a cargo do supermercado e, se alguém deu a ordem para se fecharem as portas uma vez iniciado o incêndio, foi ele", disse Daniel antes de se apresentar ao magistrado Darío Portillo. "Que ninguém me acuse de estar responsabilizando pelo sinistro uma pessoa morta que já não pode dar a sua versão (dos fatos); lamento seu falecimento", afirmou.O presidente da Câmara Paraguaia de Supermercados, Angel Villalba, admitiu que os centros comerciais do país "não contam com saídas de emergência" e reconheceu que "todos os seguranças de supermercados têm ordem para fechar as portas caso ocorra algum tipo de incidente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.