Kazuhiro Nogi/AFP
Kazuhiro Nogi/AFP

Dossiê aponta falsificação de documentos em caso que envolve Shinzo Abe

Segundo uma investigação interna, o Ministério de Finanças do Japão falsificou registros de um acordo firmado em 2016 para vender um terreno de propriedade do governo em Osaka a uma instituição de educação que tem vínculos com a mulher do premiê

O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 01h56
Atualizado 12 Março 2018 | 13h12

TÓQUIO - O Ministério de Finanças do Japão falsificou documentos relacionados a um caso de ajuda financeira e administrativa a uma empresa, o que teria contado com a participação do primeiro-ministro do país, Shinzo Abe.

+ Japão estuda repasses à AIEA caso Coreia do Norte aceite inspeções nucleares

+ Japão atribui interesse norte-coreano em dialogar com EUA a sanções

Documentos de uma investigação interna divulgados nesta segunda-feira, 12, mostram os registros falsificados de um acordo firmado em 2016 para vender um terreno de propriedade do governo em Osaka, no oeste do país, a Moritomo Gakuen, uma instituição de educação que promove ideias ultranacionalistas e tem vínculos com a mulher do premiê, Akie Abe.

+ Para premiê, Japão enfrenta maior situação de perigo desde a 2.ª Guerra em razão de Pyongyang

Segundo a investigação, 14 documentos foram posteriormente editados pelo Ministério de Finanças após a revelação do caso e apresentados no Parlamento local como prova de que o governo não tinha envolvimento no caso.

O nome de Akie Abe teria sido eliminado dos documentos originais, de acordo com um membro do partido do premiê. O relatório da investigação foi repassado para diversos veículos da imprensa local, como a agência de notícias Kyodo e emissora pública NHK.

Relembre: Vitória da coalizão de Abe no Japão

A mulher do primeiro-ministro seria nomeada diretora honorária da creche a ser construída em Osaka pela Moritomo Gakuen, mas a ideia foi descartada quando o caso foi revelado em 2017. O presidente da instituição afirmou ter recebido uma doação pessoal do primeiro-ministro por meio de sua mulher, o que Abe nega.

O caso derrubou a popularidade do premiê, apesar de o escândalo ter permanecido em segundo plano em razão da ameaça nuclear da Coreia do Norte. No entanto, a nova descoberta foca nas investigações sobre o ministro de Finanças, Tarso Aro.

A falsificação já provocou a renúncia do diretor da Agência Tributária, Nobuhisa Sagawa, na sexta-feira. Na época da operação, ele era responsável pela venda de terrenos do governo.

Relembre: Primeiro-ministro do Japão anuncia eleições antecipadas

Tóquio nega qualquer tratamento especial a Moritomo Gakuen e diz que o desconto concedido na venda do terreno ocorreu em razão de uma falha no cálculo do preço. A oposição afirma que a ligação da mulher do premiê com a instituição motivou a operação. 

Abe prometeu renunciar ao cargo de primeiro-ministro se sua participação e/ou de sua mulher no caso forem provadas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.