Doze ativistas do Greenpeace são detidos na Austrália

Grupo promete mais protestos pacíficos durante o Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico

Efe,

02 de setembro de 2007 | 02h40

Doze ativistas do Greenpeace foram detidos neste domingo, 2, por protestar contra a atitude do governo da Austrália em relação à mudança climática, por ocasião da cúpula de chefes de Estado e de governo do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), que será realizada nos dias 8 e 9 de setembro, em Sydney. "Foram detidos doze, cinco deles acusados de causar danos propositais a um navio e os sete restantes ainda não foram acusados formalmente, mas devem receber as mesmos acusações", denunciou o grupo ecologista com sede em Amsterdã. Os detidos entraram no porto de Newcastle, em Sydney, em botes infláveis e usaram carvão para pintar num cargueiro a frase "A Austrália Pressiona pela Exportação de Carvão", em relação à atitude que acreditam que o governo de Canberra adotará na cúpula do Apec. O Greenpeace disse que o objetivo do protesto era denunciar aos diversos meios de comunicação internacionais que viajaram a Sydney por ocasião da cúpula que a "Austrália não está preocupada com a mudança climática". A organização ambientalista assegurou que esta foi uma das primeiras ações de protesto pacífico que serão realizadas durante a cúpula para expor que a agenda real do governo australiano nesta reunião é proteger sua indústria carvoeira e descarrilar o Protocolo de Kioto. "A ação real para a mudança climática significa deixar de utilizar carvão e começar a utilizar energias limpas e renováveis", afirmou Ben Pearson, do Greenpeace, em uma nota de imprensa. O Greenpeace pediu que os membros do Apec rejeitassem a iniciativa que a Austrália proporá nesta cúpula e os encorajou a se comprometer com o êxito do Protocolo de Kioto e com as negociações sobre a mudança climática que acontecerão em Bali, Indonésia, em dezembro. O Apec é integrado por Austrália, Brunei, Canadá, Chile, China, Coréia do Sul, Estados Unidos, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Peru, Rússia, Cingapura, Tailândia, Taiwan e Vietnã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.