AP
AP

Menino sírio e mais 11 migrantes morrem afogados na Turquia

Imagem chocante da criança morta afogada percorreu o mundo e provocou revolta nas redes sociais; agência turca identifica garoto

O Estado de S. Paulo

02 Setembro 2015 | 14h33

(Atualizada às 20h50) Pelo menos 12 imigrantes sírios que fugiam do Estado Islâmico e da guerra civil no país, entre eles 8 crianças, morreram nesta quarta-feira, 2, na costa da Turquia, quando tentavam cruzar o Mar Egeu e chegar à Grécia, informou a agência de notícias estatal turca Anadolu.  A imagem chocante da criança morta afogada percorreu o mundo e provocou revolta nas redes sociais. A mídia turca identificou a criança como o menino Aylan Kurdi, de 3 anos. Seu irmão de 5 anos também morreu. De acordo com o jornal britânico Guardian, eles eram de Kobani, cidade síria onde militantes do Estado Islâmico e combatentes curdos travaram uma grande disputa no início deste ano.   

Apesar do choque causado pela imagem ( publicada no final desta matéria), a foto do menino encontrado morto deve tornou-se um símbolo do drama dos refugiados que tentam chegar à Europa fugindo de conflitos e da pobreza no Oriente Médio e no Norte da África

A tragédia causou comoção na Turquia e as imagens da criança afogada na praia se disseminaram rapidamente. Milhares de usuários usaram as redes sociais para lamentar o custo humano da crise imigratória e o assunto era um dos mais comentados no Twitter. A Guarda Costeira ainda buscava duas pessoas desaparecidas.

Os imigrantes tentam cruzar a nado a distância de 5 quilômetros entre o popular resort de verão de Bodrum, no sudoeste turco, e a ilha grega de Kos. Dois barcos que tentavam fazer a jornada naufragaram em águas internacionais, segundo a agência turca Dogan. Uma embarcação de 2 metros com nove imigrantes do Paquistão foi forçada a retornar por autoridades turcas.

A maioria dos imigrantes tenta fazer esse trajeto durante a noite, aumentando os riscos, segundo moradores na região. Um refugiado sírio, Omer Mohsin, disse à agência Dogan que seu barco naufragou pouco após zarpar, às 2h (hora local). Segundo o refugiado, caberiam 10 pessoas no barco, mas foram colocadas 17, cada uma pagando 2.050 euros aos traficantes de pessoas. O irmão de Mohsin está desaparecido. /AP

Mais conteúdo sobre:
Turquia imigrantes mortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.