REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Doze países latino-americanos incentivam diálogo na Venezuela

Governos observam 'com preocupação a aguda polarização pela qual atravessa a Venezuela', de acordo com comunicado da chancelaria mexicana; Brasil está entre os signatários do chamado por diálogo entre o governo venezuelano e a oposição

O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2016 | 10h01

CARACAS - Doze países latino-americanos, entre eles o Brasil, manifestaram sua preocupação ainda na quarta-feira, 26, pela polarização política na Venezuela e incentivaram o governo de Nicolás Maduro e a oposição a estabelecerem um diálogo para resolver as divergências.

Este chamado conjunto foi assinado por Brasil, Argentina, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai, de acordo com um comunicado da chancelaria mexicana.

Os países participantes observam "com preocupação a aguda polarização pela qual atravessa a Venezuela e reiteram seu chamado para que as partes tenham vontade política e estabeleçam um diálogo construtivo", declarou o comunicado.

Neste diálogo devem ser buscadas "soluções que respeitem o Estado de direito e as garantias constitucionais e que permitam a todos os venezuelanos exercerem seus direitos fundamentais".

Os países latino-americanos elogiaram também o acompanhamento do Vaticano para o início de um eventual diálogo entre o governo socialista e a oposição, que controla a Assembleia Nacional.

A tensão política na Venezuela tem se agravado depois que o poder eleitoral, com o argumento de que houve uma suposta fraude, suspendeu uma das etapas necessárias para a convocação de um referendo revogatório do mandato de Maduro. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.