Eric Bolte/USA Today Sports
Eric Bolte/USA Today Sports

Drogba e Eto'o se revoltam com ideia de testes da covid-19 na África: 'Não somos cobaias'

Astros do futebol criticam duramente médicos franceses que sugeriram fazer estudos da doença no continente

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2020 | 11h11

Dois médicos franceses nesta semana insinuaram num canal de TV do país a possibilidade de testar vacinas e remédios no combate ao novo coronavírus em pessoas africanas. Isso revoltou diversos jogadores do continente, entre eles o marfinense Didier Drogba e o camaronês Samuel Eto´o, dois íconos do futebol da África. Jean Paul Mira, um dos diretores do hospital Cochin de Paris, e Camille Locht, diretor do INSERM (organização pública francesa exclusivamente dedicada às pesquisas biológicas) comentaram ao canal LCI (La Chaîne Info), uma das maiores emissoras de televisão da França, que deveria se fazer um estudo na África sobre o novo coronavírus.

As autoridades médicas francesas afirmaram que a pesquisa deveria ser feita no continente africano porque lá "não há máscaras nem tratamentos nem aparelhos de reanimação cardiorrespiratória". Os dois ainda comentaram sobre um outro estudo nessas condição, no combate à Aids. "Refiro-me à Aids. Prostitutas africanas são usadas para tentar certos medicamentos porque sabem que estão muito expostas e não têm proteção", pontuou Mira.

As declarações imediatamente revoltaram diversos jogadores de futebol nascidos no continente africano. O ex-centroavante de Camarões chamou Mira e Locht de "filhos da p..." por propor experimentos na África em busca da cura da covid-19. "A África não é seu parquinho", disse Eto'o.

Drogba foi outro astro a ir totalmente na contramão dos médicos franceses. "É totalmente inconcebível que tenhamos que advertir sobre isso. A África não é um laboratório de testes. Não somos cobaias. Eu quero veementemente denunciar essas declarações discriminatórias, falsas e, sobre tudo, racistas", escreveu o ex-atacante da Costa do Marfim em suas redes sociais.

O atacante senegalês Demba Ba, que ainda está em atividade pelo Istanbul Basaksehir, da Turquia, também se revoltou com a ideia dos testes. "Bem-vindo ao Ocidente, onde os brancos se consideram tão superiores que o racismo e a debilidade se tornam comuns", disse.

Ainda sem cura, o novo coronavírus já infectou mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo. Ao todo, mais de 54 mil mortes causadas pela doença foram contabilizadas até esta quinta-feira. A África já registra mais de seis mil casos, com mais de 220 mortes. O país mais afetado até o momento é a África do Sul, com mais de 1,3 mil de infectados.

A França, país dos médicos que geraram a revolta dos atletas africanos, tem quase 60 mil casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus. Mais de 5,3 mil mortes já foram registradas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.