Drummond é lido em homenagem ao voo 93 nos EUA

O poema de Carlos Drummond de Andrade, "Lembrança do Mundo Antigo", foi lido durante cerimônia da realização da primeira fase de um memorial dedicado aos passageiros e tripulantes do Voo 93, que caiu no dia 11 de setembro de 2001, depois que seus quarenta passageiros e tripulantes enfrentaram os sequestradores. O texto de Drummond foi lido pelo poeta Robert Pinsky juntamente com o poema "Encantação", do polonês Czeslaw Milosz. A cerimônia contou com a presença dos ex-presidentes norte-americanos George W. Bush e Bill Clinton.

EDUARDO MAGOSSI, Agência Estado

10 Setembro 2011 | 16h42

Segundo Bush, os passageiros do Voo 93 foram responsáveis por um dos atos mais heroicos da história dos Estados Unidos. Os sequestradores pretendiam jogar o avião em Washington mas não conseguiram em virtude da determinação e valor dos passageiros e dos tripulantes do voo, que caiu em área rural a menos de 20 minutos de seu alvo. Bush também ressaltou o que ele chamou de exemplo brilhante de democracia em ação, referindo-se à decisão do grupo de realizar uma votação pela opção de se tentar dominar os sequestradores.

Clinton anunciou que ele e o Porta-voz do Parlamento, John Boehner, irão realizar um esforço bipartidário para levantar os US$ 10 milhões restantes para completar os recursos necessários para a construção do Memorial Nacional do Voo 93. A cerimônia reuniu mais de 4 mil pessoas incluindo centenas de parentes de vítimas na área rural da Pennsylvania onde o avião sequestrado caiu há 10 anos. Cerca de US$ 52 milhões já foram levantados através de doações para a construção do memorial. As informações são da Associated Press.

Leia, abaixo, o poema "Lembrança do Mundo Antigo", de Carlos Drummond de Andrade:

"Clara passeava no jardim com as crianças.

O céu era verde sobre o gramado,

a água era dourada sob as pontes,

outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,

o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,

a menina pisou a relva para pegar um pássaro,

o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranquilo em redor de Clara.

As crianças olhavam para o céu: não era proibido.

A boca, o nariz, os olhos estavam abertos. Não havia perigo.

Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.

Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,

esperava cartas que custavam a chegar,

nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava no jardim, pela manhã!!!

Havia jardins, havia manhãs naquele tempo!!"

(do livro Sentimento do Mundo)

Mais conteúdo sobre:
11 de setembro atentados Drummond

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.