Duas bombas explodem em Santiago; não há vítimas

Duas bombas explodiram em academias de bairros ricos da capital chilena, Santiago, no início da tarde de hoje. Um dos artefatos causou danos ao edifício, enquanto o outro apenas provocou ruído. Não houve feridos. A polícia local informou que nenhum grupo assumiu a autoria dos ataques. Segundo o subsecretário de Interior, Patricio Rosende, as ações são parecidas com a de grupos anarquistas, que ocorreram um mês antes do aniversário do golpe militar de 1973, habitualmente antecedido por bombas e distúrbios. No golpe foi derrubado o presidente Salvador Allende e assumiu o general Augusto Pinochet.

AE-AP, Agencia Estado

12 de agosto de 2009 | 16h43

No primeiro dos atentados de hoje, uma bomba foi colocada em uma mochila, em uma escada do edifício que ocupa uma das academias de ginástica, quebrando os vidros, mas sem deixar feridos. A bomba, com pólvora, foi aparentemente elaborada com um extintor de incêndios. No segundo dos atentados, em outra academia, uma hora depois, o artefato era uma bomba de ruído, que causou pânico entre os frequentadores. Não houve, porém, maiores prejuízos, nem vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.