Duas explosões no Afeganistão deixam pelo menos 7 mortos

Explosão em hotel no sul do país deixa feridos; outro incidente no norte mata soldados alemães

AP

15 de abril de 2010 | 12h46

KANDAHAR - Um carro bomba explodiu do lado de fora de um hotel na cidade de Kandahar, no sul do

 

Afeganistão nesta quinta-feira, 15, ferindo pelo menos seis pessoas, enquanto a guerra no norte do país deixou quatro soldados alemães mortos, segundo autoridades.

 

A bomba explodiu no estacionamento do hotel Noor Jehan em um distrito comercial movimentado de Kandahar, estilhaçando suas janelas. Pelo menos dois dos feridos estavam em estado grave, disse a autoridade local Nidah Mohammed.

 

Kandahar é a principal cidade do sul do Afeganistão e onde o movimento militante taleban foi fundado.

 

Forças da OTAN irão lançar uma grande ofensiva na região prevista para este verão, para tentar acabar de vez com a guerra que dura cerca de nove anos.

 

Em um sinal de que os insurgentes também se espalharam para o norte do país, quatro soldados alemães foram mortos e cinco ficaram feridos em um confronto nesta quinta-feira na província de Baghlan, de acordo com o Ministério da Defesa de Berlin.

 

O ministro da Defesa que iria terminar sua visita ao Afeganistão nesta quinta-feira decidiu estender sua estadia no país.

 

No começo do mês, outros três soldados afegãos foram mortos em um confronto na província de Kunduz, ao norte de Baghlan.

 

A polícia afegã afirmou mais cedo que houve um grande confronto envolvendo o Afeganistão, Alemanha e outras forças estrangeiras contra os taleban em Baghlan, que incluiu o uso de aviões e armamentos pesados. Um porta-voz da polícia local disse que três policiais afegãos morreram durante o ataque.

 

Enquanto isso o Comitê Internacional da Cruz Vermelha divulgou que as baixas civis causadas por bombas em estradas e outros artefatos explosivos no sul do Afeganistão aumentaram nesse ano.

 

Pelo menos 2.412 civis afegãos foram mortos durante confrontos no ano passado, um crescimento de 14% comparado a 2008, de acordo com as Nações Unidas. Cerca de dois terços das mortes de civis foram resultado de ações iniciadas pelos insurgentes. A porcentagem de morte de civis atribuídas à OTAN e ao governo afegão caiu.

 

Apesar disso, mortes de civis pelas mãos dos EUA e outras forças internacionais são uma grande preocupação porque acredita-se que sirvam de combustível para o ressentimento do governo afegão e gera simpatia para com os insurgentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.