Duas pessoas morrem em terremoto em Moçambique

Um forte terremoto de 7,5 graus na escala Richter atingiu o norte de Moçambique pouco depois da zero hora desta quinta-feira, causando a morte de pelo menos duas pessoas e forçando milhares de outras a permanecerem nas ruas por causa do temor de desabamento de edifícios e casas."Parecia que o prédio ia cair, e assim ficou por um bom tempo", disse Johana Neves, gerente do Hotel Tivoli, em Beira, a principal cidade portuária de Moçambique. "Parecia que estávamos num barco. Tudo chacoalhava. É estranho. Nada quebrou, nem mesmo as janelas", disse ela numa conversa por telefone com a Associated Press.O tremor, que atingiu várias cidades do país africano, inclusive a capital Maputo, também foi sentido em localidades da África do Sul, da Zâmbia e do Zimbábue, situadas a centenas de quilômetros do epicentro do terremoto.O Instituto de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos informou que o terremoto foi registrado aos 19 minutos locais desta quinta-feira e atingiu 7,5 graus na escala Richter.O epicentro foi detectado numa área rural situada 225 quilômetros a sudoeste de Beira, perto da fronteira com o Zimbábue. Autoridades moçambicanas e zimbabuanas constataram danos materiais relativamente baixos, aparentemente porque a região mais afetada é esparsamente povoada.Duas pessoas que viviam em comunidades rurais próximas do epicentro morreram e 11 ficaram feridas, disse Esperança Dias, ministra de recursos minerais de Moçambique, um dos países mais pobres do mundo.Beira e alguns bairros de Maputo ficaram sem energia elétrica nesta quinta-feira por causa do abalo sísmico. Diversas torres de distribuição de energia foram derrubadas.Pelo menos cinco abalos sísmicos secundários foram registrados ao longo do dia e muitos mais deverão ser sentidos daqui para a frente, disse Rafael Abreu, cientista do Instituto de Geografia de Moçambique.O presidente Armando Guebuza fez um pronunciamento à nação nesta quinta-feira durante o qual disse que seu governo ainda está avaliando as conseqüências do desastre natural.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.