Benoit Doppagne/Reuters
Benoit Doppagne/Reuters

Duas semanas após ataques, Aeroporto de Bruxelas reabre

Terminal na Bélgica foi alvo de ataques suicidas que, junto com um atentado a uma estação de metrô, deixaram 35 mortos e vários feridos

O Estado de S.Paulo

03 Abril 2016 | 10h41

O aeroporto Internacional de Zaventem, em Bruxelas, reabriu para alguns voos de passageiros neste domingo, 3, quase duas semanas após o local ter sido alvo de terrorismo. O aeroporto está estado fechado para os voos regulares desde que dois militantes islâmicos realizaram ataques suicidas que, junto com um atentado na estação de metrô de Maelbeek, mataram 35 pessoas. 

Neste domingo, o aeroporto reabriu com estruturas temporárias para partidas. Os primeiros três voos, operados pela Brussels Airlines, seguirão para Faro, Turim e Atenas. Três voos das mesmas cidades devem retornar para o aeroporto mais tarde.

O número de voos aumentará gradualmente até a capacidade máxima possível pelas estruturas temporárias, de 800 voos partindo por hora nos próximos dias. Com isso, o aeroporto operará com 20% de sua capacidade normal. A expectativa é que a situação se normalize totalmente ainda para os feriados do verão local, no fim de junho ou no início de julho.

Mais voos já estavam planejados para esta segunda-feira, oito deles para cidades europeias, como Genebra, Berlim, Paris e Manchester, e um para Nova York e outro para Camarões.

Serão reforçadas as medidas de segurança nas entradas do aeroporto e também na área de check-in. Passageiros e veículos serão verificados antes de entrar no prédio e aqueles que não viajam terão sua circulação mais restringida. A polícia e soldados patrulharão a área.

Nos primeiros dias, só será possível chegar ao aeroporto com carro ou táxi, não pelo transporte público. Os passageiros foram aconselhados a chegar com três horas de antecedência para os voos.

Nesta semana, o premiê belga, Charles Michel, disse que a reabertura do aeroporto era "urgente", por sua importância "para nossa economia e nossa imagem". (Com informações da Dow Jones Newswires)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.