Duhalde e deputados divergem sobre condenação a Cuba

O presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, e os deputados estão divergindo sobre a proposta do Uruguai de apresentar, na próxima semana, na Comissão de Direitos Humanos da Nações Unidas, um projeto de resolução "convidando" Cuba a respeitar os direitos humanos.Duhalde disse que o governo acompanhará a posição do Uruguai, informaram hoje legisladores da União Cívica Radical (UCR), que almoçaram com Duhalde. Apesar da posição do presidente, a Câmara de Deputados aprovou na madrugada desta quinta-feira uma resolução para que o país se abstenha na votação, em Genebra, e não condene o governo de Fidel Castro.O projeto foi apresentado pelo deputado peronista Jorge Obeid - que, em 1998, quando era governador de Santa Fé, chefiou uma missão comercial a Havana e manteve uma longa conversa com o presidente cubano.O chefe do bloco da UCR no Senado, Carlos Maestro, confirmou ter pedido a Duhalde que apóie a posição do presidente uruguaio Jorge Battle. "A proposta do Uruguai valoriza o avanço na questão social em Cuba, e por isso manifesta o desejo de que esse avanço se expresse também nos direitos políticos. Não é um voto que condena", assegurou Maestro.Durante os últimos 11 anos, a Argentina condenou sistematicamente Cuba nas reuniões da Comissão de Direitos Humanos, numa atitude que a imprensa de Buenos Aires considera um reflexo do alinhamento com os EUA.A posição mantida durante uma década pelo governo peronista não mudou durante a administração dos radicais sob a liderança do presidente Fernando de la Rúa, e um texto no ano passado exortou Fidel Castro a respeitar os direitos humanos e denunciou "a contínua repressão dos opositores e sua detenção e (outros) incidentes" políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.