Duplo atentado deixa 37 mortos na Índia

Em poucos minutos, bombas explodem em parque de diversões e restaurante

O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2026 | 00h00

Pelo menos 37 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas ontem em duas explosões na cidade de Hyderabad, no sul da Índia. As bombas, detonadas com minutos de diferença, foram colocadas no parque de diversões Lumbini, perto da sede de governo regional de Andhara, e no restaurante Goku Chat, no centro comercial de Koti, a aproximadamente cinco quilômetros de Hyderabad.Uma terceira bomba, encontrada debaixo de uma passarela de pedestres, foi desativada pela polícia. Havia ainda uma quarta bomba, segundo um policial que pediu para não ser identificado, localizada num cinema na vizinhança de Narayanguba. As sessões noturnas foram canceladas em toda a cidade.Fontes policiais relatam que a tragédia poderia ter sido maior pois o atentado no parque de diversões ocorreu instantes após o início de um show de raios laser - em um auditório ao ar livre próximo a um lago, onde cerca de 500 espectadores, muitos deles crianças, se concentravam. O ataque ao restaurante foi o mais mortífero, onde pelos menos 24 pessoas foram mortas. Muitos feridos encontram-se em estado grave. O ministro regional do Interior, Y. S. Rajasekhara Reddy, visitou a área afetada e pediu calma à população. Reddy também anunciou que as investigações preliminares atribuem as explosões a "ações terroristas". Fontes de inteligência citadas pelo canal de televisão NDTV afirmaram que a ação foi meticulosamente planejada e executada e os autores usaram explosivos em "grande quantidade".As forças de segurança foram postas em alerta e agentes da Força de Resposta Rápida foram espalhados por vários pontos da cidade, de 7 milhões de habitantes, predominantemente muçulmanos. Há anos a cidade sofre com violentos choques entre muçulmanos e hindus. Em maio, uma bomba explodiu numa mesquita da cidade, deixando 11 mortos. Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria dos atentados. Tanto o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, quanto a líder do partido do Congresso (governista), Sonia Gandhi, expressaram preocupação com o episódio e condenaram os atentados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.