Duração dos ataques já preocupa líder paquistanês

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, alertou neste sábado para o risco de a guerra no Afeganistão se transformar em um "pântano" para os Estados Unidos e seus aliados. Cerca de três semanas de ataques aéreos diários ainda não foram suficientes para quebrar o domínio do Taleban no Afeganistão ou permitir um avanço da oposicionista Aliança do Norte, segundo lembrou Musharraf em entrevista à rede televisão norte-americana ABC. As advertências do líder paquistanês têm grande peso, porque ele é o principal aliado norte-americano na ofensiva contra o Taleban. Pressionado pela população, que rejeita a ação militar ocidental e apóia o regime afegão, Musharraf dá sinais de que não poderá suportar por muito tempo a condição de parceiro norte-americano contra um país islâmico como o seu. Novos ataques Aviões norte-americanos atacaram neste sábado um complexo militar do Taleban em Cabul e um depósito de munições nos limites da cidade. Ao norte da capital, os jatos sobrevoaram a linha de frente para atacar posições da milícia islâmica afegã, no que foi descrito como o mais pesado bombardeio da campanha aérea no Afeganistão. No norte do país, jatos dos EUA bombardearam pesadamente a fortaleza opositora de Shomali, em um ataque que durou quase todo o dia. Segundo Gul Agha, um combatente da oposição, mais de 20 bombas foram lançadas. Outro combatente, Sayeed Khan, considerou os bombardeios como os mais pesados até agora. De acordo com a agência de notícias AIS, com base no Paquistão, fontes do Taleban informaram que nove pessoas morreram e outras 15 ficaram feridas nos ataques de hoje. Os soldados do Taleban responderam atirando com armas terra-ar contra os aviões dos EUA e com foguetes e tiros de morteiro contra os guerreiros da oposição. Explosões de todos os lados eram ouvidas na linha de frente em Jom Qadam, a 40 quilômetros ao norte de Cabul. Execuções Ao mesmo tempo, as forças talebans disseram ter executado por enforcamento cinco comandantes da oposição capturados no povoado de Mazar-i-Sharif - no que seria um duro golpe para as forças opositoras, já desmoralizadas pela execução de um de seus líderes ontem. Mais tarde, no entanto, um porta-voz do Taleban, mulá Amir Khan Muttaqi, negou as execuções. A informação não pôde ser confirmada por fonte independente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.