Mandel Ngan / AFP
Mandel Ngan / AFP

Durante comemoração do 4 de julho, Trump diz que bandeira dos EUA será fincada em Marte

Presidente prometeu também outra viagem à lua em discurso na parada militar organizada para celebrar a independência do país

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2019 | 01h40

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu nesta quinta-feira, 4, em discurso para comemorar o Dia da Independência, que os americanos verão em breve a bandeira do país fincada na lua e em Marte.

Durante a parada militar organizada para celebrar a data em Washington, Trump afirmou que "não há nada impossível para os americanos". "Iremos outra vez à lua em breve e fincaremos a bandeira dos Estados Unidos em Marte", disse no discurso realizado em frente ao monumento de homenagem ao ex-presidente Abraham Lincoln na capital do país.

Trump elogiou o engenheiro aeroespacial Gene Kranz, responsável por comandar a missão tripulada à lua que a Nasa realizou em 1969, presente no evento desta quinta, mas não deu detalhes sobre os planos revelados por ele.

Esta não foi a primeira vez que o governo Trump afirmou que a Nasa voltará à lua. Em março, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, garantiu que a Nasa lançará uma missão tripulada ao satélite terrestre nos próximos cinco anos e que a primeira mulher da história a pisar na lua será americana.

Além disso, a lei orçamentária proposta pela Casa Branca para o ano fiscal de 2019 prevê o desejo de Trump de realizar uma nova missão lunar. No entanto, o documento não estabelece prazos concretos para que a missão seja realizada.

Trump pediu em abril de 2017, três meses depois de assumir o cargo, que a Nasa acelerasse um pouco os planos de exploração espacial para enviar humanos à Marte ainda durante seu primeiro mandato como presidente, que termina em janeiro de 2021. A meta da agência é realizar esta missão na década de 2030. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.