AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Durante G-20, Trump teve segundo encontro com Putin não revelado 

A única versão da conversa fornecida aos assessores da Casa Branca foi dada pelo próprio Trump, já que ela foi acompanhada apenas pelo intérprete do russo

O Estado de S.Paulo

18 Julho 2017 | 20h35
Atualizado 18 Julho 2017 | 21h35

WASHINGTON – Após o alardeado encontro de 2 horas e 15 minutos com o presidente russo, Vladimir Putin, durante a Cúpula do G-20 na Alemanha, no dia 7, o presidente americano, Donald Trump, se reuniu novamente com o líder  informalmente, por uma hora, mais tarde no mesmo dia. A Casa Branca admitiu que houve a reunião, mas disse que se tratou apenas de uma "breve conversa" e não de um "segundo encontro". 

O segundo encontro, não informado pela Casa Branca na época, aconteceu durante um jantar oferecido aos líderes do G-20 e seus cônjuges, segundo uma fonte oficial. Na mesa do jantar, Trump deixou sua própria cadeira para ocupar outra ao lado de Putin. Durante a conversa, Trump estava sozinho, mas Putin tinha ao seu lado seu intérprete.  

O encontro deixou evidente o quão ávido Trump estava para se encontrar e cultivar a amizade com Putin durante a cúpula, segundo o jornal Washington Post. Durante sua campanha presidencial, Trump falou abertamente de sua admiração por Putin e, às vezes, pareceu cativado pelo líder do Kremlin. 

Os dois estiveram frente a frente pela primeira vez em Hamburgo e pareceram ter entre eles uma “química” na reunião formal – programada para durar 35 minutos, a reunião  se estendeu por mais de duas horas. 

Mas a recente revelação de uma conversa entre Trump e Putin durante o jantar do G-20 deve atrair novas críticas. O presidente já é pressionado, até mesmo por colegas republicanos no Congresso, por manter uma muito confortável amizade com o líder de uma nação que é uma antiga adversária americana. 

A única versão da conversa fornecida aos assessores da Casa Branca foi dada pelo próprio Trump, segundo fontes do governo que falaram em condição de anonimato. Repórteres que viajavam com a Casa Branca não foram informados sobre ela e não há registros formais do diálogo.

A reunião foi relatada primeiro pelo presidente do think tank Eurasia Group, Ian Bremmer, em uma newsletter a um grupo de clientes. Bremmer disse em uma entrevista por telefone ao Post que ele foi informado sobre a conversa por dois participantes do jantar. 

Líderes que informaram sobre o encontro, explicou Bremmer, relataram estar “perplexos, inquietos e confusos” pela animação da conversa entre os dois, assistida, mas não ouvida, por todos os presentes. 

Acompanhou a conversa apenas o intérprete de russo-inglês fornecido por Putin. Naquela noite, segundo o Post,  Trump havida designado apenas um intérprete de japonês para conversar com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, com quem ele falou formalmente, de acordo com sua agenda. 

A primeira reunião, formal, entre Trump e Putin, ocorrida mais cedo no mesmo dia foi acompanhada pelos respectivos intérpretes e pelos secretário de Estado americano, Rex Tillerson, e o chanceler russo, Serguei Lavrov. / WASHINGTON POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.