AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Duterte diz que estupro vai existir enquanto mulheres bonitas existirem

Presidente filipino deu declaração polêmica quando falava sobre altas taxas do crime em uma das principais cidades do país

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2018 | 15h05

MANILA - Grupos de direitos das mulheres atacaram o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, nesta sexta-feira, 31, depois de ele sugerir que o estupro é um crime inevitável enquanto houver mulheres bonitas. Em um discurso na noite da quinta-feira, 30, na cidade de Mandaue, Duterte atacou seus críticos e defendeu que, enquanto prefeito de Davao, ele havia erradicado o crime na cidade. "Eles disseram que há muitos casos de estupro em Davao. Enquanto houver mulheres bonitas, haverá mais casos de estupro", declarou.

Duterte assumiu a presidência do país em 2016 e, desde então, tem chegado às manchetes do mundo por dois motivos - a violenta repressão a usuários de drogas e traficantes, que matou milhares; ou a propensão a fazer declarações consideradas ofensivas, muitas vezes sobre violência contra mulheres. "Em vez de abordar o problema de maneira séria, o misógino Duterte acrescentou um insulto às cicatrizes de vítimas que sobreviveram ao estupro", disse o grupo de mulheres #BabaeAko (Eu Sou Mulher, em filipino), em declaração.

Argumentando que o estupro não tem nada a ver com aparências físicas, o #BabaeAko acusou Duterte de envergonhar as vítimas e culpar as mulheres pelos estupros que sofrem. "O estupro é um crime hediondo baseado na falsa suposição de que mulheres são bens, devem ser possuídas, devem ser punidas de acordo com os caprichos dos homens", disse o texto.

Em seus comentários, o presidente pareceu se referir a um relatório recente produzido pela Polícia Nacional das Filipinas. O documento apontou que Davao registrou o número mais alto de estupro entre as principais cidades do país no segundo trimestre do ano. Segundo a polícia, 42 casos foram registrados na cidade entre abril e junho. Críticos afirmam que os dados mais recentes, por si só, abalam o mito vendido pelo presidente de que Davao está livre do crime e é a cidade mais segura do país.

O porta-voz do presidente, Harry Roque, tentou limitar as consequências dos comentários do presidente, sugerindo que o líder não é misógino, já que apontou diversas mulheres para cargos-chave em seu governo. "Não acho que deveríamos dar muito peso ao que o presidente diz brincando", disse Roque, acrescentando que moradores da região sul das Filipinas tendem a se ofender menos facilmente do que seus compatriotas na capital. "Eles não ficam tranquilos com piadas sobre estupro, mas vamos apenas dizer que talvez o padrão do que é ofensivo e o que não é ofensivo é mais liberal no sul", declarou.

Essa não foi a primeira vez que Duterte faz declarações rebaixando mulheres. Durante sua campanha presidencial, ele brincou sobre o estupro coletivo de uma missionária australiana durante uma rebelião em uma prisão, sugerindo que, por ser prefeito, ele deveria ter tido a oportunidade de ser o primeiro a violentar a mulher. Além disso, ele chegou a chamar a própria filha, Sara Duterte, de "rainha do drama" quando ela confessou que fora vítima de uma agressão sexual.

No ano passado, Duterte ordenou a soldados que atirassem em guerrilheiras comunistas em suas vaginas, para desencorajá-las a se juntar ao Exército do Povo Novo, força rebelde insurgente que trava uma batalha no país desde 1969. O presidente ainda afirmou ter visto o vídeo de uma de suas principais opositoras, a senadora Leila de Lima, fazendo sexo. Ela atualmente cumpre pena de prisão pelo que ela alega ser uma acusação forjada de que protegeria líderes do tráfico de drogas.

"Esse país não merece um presidente que voluntariamente rompa nossas leis e incentive outros a fazerem o mesmo", disse o grupo #BabaeAko. "Pedimos a todos os filipinos que se levantem contra um presidente que cospe em tudo pelo que nossos ancestrais lutaram e morreram". / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.