REUTERS/Stephanie Keith
REUTERS/Stephanie Keith
Imagem Helio Gurovitz
Colunista
Helio Gurovitz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

É cedo para cantar vitória democrata

Para os democratas serem favoritos, a popularidade de Trump teria de cair ainda mais

Helio Gurovitz, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2017 | 03h00

O Partido Democrata celebrou as eleições regionais da última terça-feira nos Estados Unidos como prenúncio das legislativas de 2018. Levou os governos de Virgínia e New Jersey, todas as prefeituras importantes, além de tomar dos republicanos dezenas de distritos em votações locais. A esperança democrata é alimentada pelo baixíssimo índice de aprovação de Donald Trump, 37,7%. Não há registro de presidente tão impopular a esta altura do mandato.

Mas a celebração pode se revelar prematura. Na corrida pela Câmara, a vantagem republicana continua sólida. “O barco republicano foi construído para absorver muita água”, diz o estatístico Nate Silver. Na avaliação do Cook Report, a disputa já está decidida em 353 distritos – 179 são republicanos; 174, democratas. Nos demais, os republicanos levam vantagem em 48; os democratas, apenas em 18. Indefinidos mesmo, só 16.

O analista George Eliott Morris, da Universidade do Texas, elaborou um modelo estatístico com base em eleições anteriores, pesquisas e índices de popularidade. Ele projeta que, se as eleições fossem hoje, os democratas obteriam 54% dos votos e, mesmo assim, conquistariam apenas 209 das 435 cadeiras na Câmara, em virtude do sistema distrital. A probabilidade de vitória republicana seria de 53%. Mas já foi de 60%. Para os democratas serem favoritos, a popularidade de Trump teria de cair ainda mais.

Massacre de republicanos em Charlottesville

Nas eleições para o governo da Virgínia, os democratas receberam, na média, 13% mais votos que em 2013. Em Charlottesville, palco da violência neonazista em agosto, foram 31% a mais. O democrata Ralph Northam, governador eleito, venceu na cidade com 84% dos votos.

Anticoncepcional contra ratos em Nova York

A reeleição do prefeito Bill de Blasio, em Nova York, impulsionará seu ambicioso programa de US$ 32 milhões para desratizar a cidade, por meio de armadilhas, lixeiras mais seguras e extermínio até com gelo seco. É uma tarefa de Sísifo controlar a população de 2 milhões. Um casal da espécie endêmica, o rato norueguês, gera em média 15 mil descendentes num ano. O controle mais eficaz tem sido alimentá-los, em pontos estratégicos, com um anticoncepcional desenvolvido pela SenesTech, do Arizona. Testado no metrô, reduziu a população da praga em 43%.

O “califa” que fugiu no táxi amarelo

Diante do encolhimento do território sob seu comando, o autoproclamado “califa” do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, escapuliu do Iraque para a Síria num táxi amarelo, informou a Iraqi News. Insistiu em pegar o táxi para não chamar atenção e foi de Qaim, retomada por tropas do Exército iraquiano, para um refúgio em Deir es-Zor, diz a agência noticiosa.

Sean Parker, arrependido das redes sociais

Criador do Napster, financiador do Facebook e bilionário, Sean Parker se tornou uma espécie de arrependido das redes sociais. Hoje investidor em pesquisas contra o câncer, ele diz que o Facebook foi criado para consumir o máximo possível da atenção consciente do usuários, explorando uma “vulnerabilidade na psicologia humana”. “Os inventores entendiam isso conscientemente. E fizemos mesmo assim”, disse em evento do site Axios.

Dá para controlar ‘fake news’, diz cientista

O cientista da computação Hany Farid, da Faculdade Dartmouth, em New Hampshire, desenvolveu software usado por empresas como Google e Facebook para combater conteúdos nocivos, como pornografia infantil ou propaganda terrorista. “É possível usar exatamente a mesma tecnologia no combate às notícias falsas”, afirmou em entrevista à National Public Radio. Não dá, diz ele, para as gigantes digitais alegarem ser tecnicamente impossível combater “fake news”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.