John Macdougall/AFP
John Macdougall/AFP

É época de eleições na Alemanha. Sem carisma, por favor!

Corrida para substituir a chanceler Angela Merkel após 16 anos no cargo é a mais acirrada em anos, mas os dois principais candidatos não empolgam – e é assim que os alemães gostam

Katrin Bennhold, The New York Times, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2021 | 20h00

BERLIM — O político mais popular que gostaria de ser chanceler não está na votação. O candidato principal é tão chato que as pessoas o comparam a uma máquina. Em vez de "Sim, nós podemos!", os eleitores estão sendo inflamados com promessas de “estabilidade”.

A Alemanha está tendo sua eleição mais importante em uma geração, mas você nunca saberia disso. O jornal Die Welt perguntou recentemente em uma manchete: “Esta é a eleição mais chata de todas?”

Sim e não.

A campanha para substituir a chanceler Angela Merkel após 16 anos de domínio da política alemã e europeia é a mais acirrada na Alemanha desde 2005, e só ficou mais acirrada. Os social-democratas, anulados há apenas um mês, ultrapassaram os conservadores de Merkel pela primeira vez em anos.

Mas a campanha também revelou um vácuo de carisma que é ao mesmo tempo típico da política alemã do pós-guerra e excepcional por quão insossos os dois mais prováveis ​​sucessores de Merkel são. Nenhum partido tem mais de 25% das intenções de voto, e, em grande parte da disputa, o candidato preferido do público não foi nenhum dos dois.

Quem quer que ganhe, no entanto, terá a tarefa de pastorear a maior economia do continente, tornando-se um dos líderes mais importantes da Europa, o que deixou alguns observadores se perguntando se o déficit de carisma se estenderá a um déficit de liderança também.

Embora o resultado da eleição possa ser emocionante, os dois principais candidatos são tudo menos isso.

Menos de um mês antes da votação de 26 de setembro, o campo está sendo liderado por dois políticos de carreira vestindo ternos - um calvo e um de óculos, ambos com mais de 60 anos - que representam os partidos que governaram o país em conjunto durante a maior parte de duas décadas.

Armin Laschet, governador do Estado da Renânia do Norte-Vestfália, que está concorrendo pelos democratas-cristãos conservadores de Merkel. E depois há Olaf Scholz, um social-democrata que é ministro das Finanças e vice-chanceler de Merkel.

A candidata da mudança, Annalena Baerbock, co-líder do Partido Verde, tem uma agenda de reformas ousada e muita energia - e tem ficado para trás nas pesquisas após um bom desempenho antes do verão.

É de roer as unhas, ao estilo alemão: quem pode canalizar de forma mais eficaz a estabilidade e a continuidade? Ou dito de outra forma: quem pode canalizar Merkel?

Por enquanto, parece ser Scholz - um homem que os alemães há muito conhecem como o “Scholz-o-mat” ou a “máquina Scholz” - um tecnocrata e político veterano. Onde outros escorregaram na campanha, ele evitou erros, principalmente dizendo muito pouco.

“A maioria dos cidadãos sabe quem eu sou”, foi o argumento de Scholz para seu partido antes de ser eleito candidato a chanceler, conspícuosamente ecoando a frase icônica de Merkel em 2013 para os eleitores: “Você me conhece”.

Mais recentemente, um de seus anúncios de campanha mostrou seu sorriso tranquilizador com uma legenda usando a forma feminina da palavra chanceler, dizendo aos eleitores que ele tem o que é preciso para liderar o país, embora seja um homem. “Angela, a segunda”, foi o título de um perfil de Scholz na revista Der Spiegel esta semana.

Scholz tentou tanto aperfeiçoar a arte de incorporar a aura de estabilidade e calma da chanceler que até foi fotografado segurando as mãos diante de si na forma de diamante -- gesto que é conhecido como o losango de Merkel.

“Scholz está tentando ser o clone de Merkel”, disse John Kornblum, ex-embaixador americano na Alemanha que vive em Berlim desde os anos 1960. “O cara de que todo mundo mais gosta é o cara mais chato da eleição - talvez do país. Ele faz ver a água ferver parecer emocionante. ”

Mas os alemães, observadores políticos apontam, amam o tédio.

“Existem poucos países onde esse prêmio é colocado em ser maçante”, disse Timothy Garton Ash, um professor de história europeia da Universidade de Oxford que escreveu sobre a Alemanha.

Não é que os alemães sejam resistentes ao carisma. Quando Barack Obama estava concorrendo à presidência e fez um discurso empolgante na coluna da vitória em Berlim em 2008, 100 mil alemães o aplaudiram.

Mas eles não querem isso em seus próprios políticos. Isso porque a última vez que a Alemanha teve um líder empolgante não terminou bem, observou Jan Böhmermann, um popular apresentador de TV e comediante.

A memória assustadora da vitória do partido nazista de Hitler em eleições livres moldou a democracia do pós-guerra da Alemanha de várias maneiras, disse Böhmermann, "e uma delas é que o carisma foi banido da política".

Andrea Römmele, reitora da Hertie School, com sede em Berlim, colocou desta forma: “Um personagem como Trump nunca poderia se tornar chanceler aqui”.

Paradoxalmente, isso é pelo menos em parte graças a um sistema eleitoral legado à Alemanha pelos EUA e seus aliados após a Segunda Guerra Mundial. Ao contrário do sistema presidencial americano, os eleitores alemães não conseguem eleger seu chanceler diretamente. Eles votam em partidos; a parcela de votos dos partidos determina sua parcela de assentos no Parlamento; e então o Parlamento elege o chanceler.

E porque é quase sempre necessário mais de um partido para formar um governo - e desta vez provavelmente três - você não pode ser muito rude com as pessoas que você pode precisar como parceiros de coalizão.

“Seu rival hoje pode ser o ministro das finanças amanhã”, disse Römmele.

Quanto aos candidatos a chanceler, não são escolhidos nas primárias, mas por funcionários do partido que tendem a escolher pessoas como eles: políticos de carreira que prestaram anos de serviço à máquina do partido.

Ser bom na televisão e se conectar com os eleitores não é o suficiente, disse Jürgen Falter, um especialista eleitoral da Universidade de Mainz. “É um sistema oligárquico estrito”, disse ele. “Se tivéssemos as primárias, Markus Söder teria sido o candidato.”

Söder, o ambicioso governador da Baviera, tem muito carisma e é o político mais popular do país, depois da própria Merkel. Ele estava ansioso para concorrer à chanceler, mas os conservadores escolheram Laschet, um aliado de longa data de Merkel, não menos importante, disse Römmele, porque na época ele se parecia mais com "o candidato da continuidade".

Mas Scholz o venceu em seu jogo. Durante um debate televisionado entre os candidatos a chanceler no domingo passado, um exasperado Laschet acusou Scholz de tentar “soar como a Sra. Merkel”.

“Acho que pareço Olaf Scholz”, respondeu Scholz sem expressão.

“Hoje em dia você está fazendo o losango”, rebateu Laschet, antes de invocar o chanceler em sua declaração final.

“Estabilidade e confiabilidade em tempos difíceis”, disse ele. “Isso é o que nos marcou de Konrad Adenauer e Helmut Kohl a Angela Merkel. A equipe C.D.U. quer garantir a estabilidade. ”

Pesquisas recentes dão aos social-democratas de Scholz a vantagem com entre 23% e 25%, seguidos por 20% a 22% para os democratas-cristãos de Laschet, ou C.D.U., e cerca de 17% para os verdes.

Para seus fãs, Scholz é uma voz de calma e confiança, um pragmático do taciturno norte da Alemanha que representa a evasiva maioria silenciosa. “Liberal, mas não estúpido”, é como ele uma vez se descreveu.

Mas os críticos observam que embora as crises tenham desabado na campanha eleitoral - enchentes épicas, a retirada caótica do Afeganistão, a pandemia - um senso de urgência está faltando nas campanhas dos dois principais candidatos.

Assim como Laschet, Scholz fala sobre como lidar com a mudança climática, mas acima de tudo promete pensões estáveis, empregos seguros, um orçamento equilibrado e não sair do carvão tão cedo.

“A grande história é que temos um mundo em crise e não há qualquer sensação de crise real na Alemanha”, disse Garton Ash, da Universidade de Oxford.

Uma visão ousada para a mudança nunca foi uma vencedora de votos na Alemanha. Konrad Adenauer, o primeiro chanceler do pós-guerra, conquistou a maioria absoluta para os democratas-cristãos ao prometer “Nenhum experimento”. Helmut Schmidt, um social-democrata, disse uma vez a famosa frase: “Se você tem visões, deveria ir ao médico”.

Quanto à Merkel, ela passou a incorporar a tradição política distinta da Alemanha de mudança por meio do consenso, talvez mais do que qualquer de seus predecessores, co-governando com seus oponentes tradicionais em três de seus quatro mandatos.

Böhmermann, o comediante, chama isso de “estado de emergência democrático” para a Alemanha. “Você poderia dizer que fomos bem administrados nos últimos 16 anos - ou você poderia dizer que fomos anestesiados por 16 anos.”

“Precisamos de visão”, lamentou. “Ninguém se atreve a articular uma visão política clara, principalmente os principais candidatos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.