Alastair Grant/AP
Alastair Grant/AP

'É improvável que a Suécia extradite Assange', diz ministro da Austrália

Bob Carr afirmou que o país não pode se envolver em casos fora de sua jurisdição

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2012 | 11h05

SIDNEY - É improvável que o fundador e ex-editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange, seja extraditado da Suécia para os Estados Unidos caso exista risco de pena de morte ou tribunal militar, disse nesta quarta-feira, 22, o ministro de Relações Exteriores da Austrália, Bob Carr. Assange é australiano.

Veja também:

linkEquador diz estar aberto a diálogo com Grã-Bretanha sobre Assange

linkEntrada em embaixada para pegar Assange seria suicídio diplomático, diz Corrêa

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O ministro afirmou que o país não pode se envolver em casos fora de sua jurisdição, mas que "os suecos disseram que não extraditam ninguém caso exista uma ofensa capital ou se é uma questão militar ou de inteligência". "Não é um assunto para a diplomacia australiana, mas um assunto para apoio consular", afirmou Carr.

Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres, pois o Reino Unido quer extraditá-lo para a Suécia, onde responderá por acusações de estupro. Ele nega as alegações e teme que, uma vez na Suécia, possa ser mandado para os Estados Unidos, onde pode enfrentar processo por espionagem devido a divulgação de documentos secretos pelo WikiLeaks.

Estocolmo não recebeu pedido de extradição de Washington e a lei sueca e a convenção de direitos humanas europeia proíbem o envio de alguém que possa ser condenado à morte. "Nós temos buscado garantias da Suécia de que o procedimento correto será seguido", disse o ministro para o jornal Australian Financial Review.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLekasAustráliaSuéciaAssange

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.