Stephen Crowley/The New York Times-29/6/2010
Stephen Crowley/The New York Times-29/6/2010

'É o 11 de Setembro dos diplomatas', diz chanceler italiano

Casa Branca acusa WikiLeaks de 'colocar em risco vidas americanas e de aliados'; árabes e Israel temem exposição

Reuters, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2010 | 00h00

WASHINGTON

Países aliados dos EUA que tiveram seus segredos revelados ontem no vazamento do WikiLeaks pressionam Washington a processar os responsáveis pela quebra do sigilo diplomático. Para o chanceler italiano, Franco Frattini, o vazamento é "o 11 de Setembro da diplomacia internacional".

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que havia condenado a organização por "colocar em risco vidas de americanos e aliados", voltou a acusar o WikiLeaks. John Kerry, democrata que chefia a Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi duro nas críticas: "Isso não é um exercício acadêmico sobre liberdade de expressão (...). Esses comunicados sensíveis têm considerações sobre questões em andamento que deveriam continuar sob sigilo para que o governo consiga agir de acordo com a lei."

O embaixador dos EUA em Londres, Louis Susman, afirmou que as revelações ameaçam "tanto jornalistas, ativistas de direitos humanos e blogueiros, quanto diplomatas e soldados".

 

 

 

 

 

Veja também:

linkWikiLeaks: Hillary ordenou espionagem sobre a ONU

linkHoras antes do vazamento, WikiLeaks se diz sobre ataque

 

 

 

 

 

O governo americano havia sido informado de antemão sobre quais documentos estavam em poder da organização. Segundo Washington, países envolvidos nos vazamentos foram informados antes de jornais na Europa e EUA revelarem os segredos.

ÓTICA AMERICANA

Cristina Kirchner

Os EUA pediram à embaixada em Buenos Aires informações sobre "o estado de saúde mental" da presidente argentina

Silvio Berlusconi

O premiê italiano é "irresponsável e pouco eficaz como líder europeu moderno" e incapaz de descansar de suas festas

Hamid Karkai

O presidente afegão é "extremadamente frágil" e capaz de acreditar em teorias conspiratórias

Muamar Kadhafi

Acredita-se que o líder líbio tenha medo de voar sobre o mar e dormir em andares altos

Dimitri Medvedev

A embaixada dos EUA em Moscou diz que o presidente russo é "o Robin do Batman, Putin (o premiê russo)"

Nicolas Sarkozy

A embaixada dos Estados Unidos em Paris acredita que o presidente é "suscetível e autoritário"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.