'É preciso aguardar antes de atacar o Irã'

Veterano espião de Israel defende mais tempo para sanções a Teerã surtirem efeito; 'opção militar deve ficar sobre a mesa'

Entrevista com

ROBERTO SIMON, O Estado de S.Paulo

23 Março 2012 | 03h08

Ex-número 2 do Mossad, o legendário serviço de espionagem de Israel, Ilan Mizrahi não apoia um ataque "já" contra as instalações nucleares do Irã. "As sanções estão tendo um impacto cada vez maior (sobre o Irã) e temos de dar algum tempo a mais para elas agirem", argumenta, para em seguida completar: "Mas a opção militar deve permanecer sobre a mesa".

Analistas que preveem um contra-ataque imediato do Hamas e do Hezbollah em caso de guerra contra o Irã podem estar enganados, diz ainda Mizrahi. "Não acredito que a resposta será automática. Antes, pensarão no 'que' e em 'como' fazer'."

O veterano agente do Mossad não fala sobre seu passado, apenas que serviu na agência israelense por 30 anos. Sobre a "arte da espionagem", diz que a inteligência humana é ainda o recurso fundamental, "a única capaz de responder os 'porquês'". "Uma foto de satélite pode te mostrar que construíram algo em tal lugar. Mas por quê? Isso só alguém infiltrado revela." Ele conversou com o Estado em São Paulo.

A inteligência americana acredita que o Irã suspendeu em 2003 suas atividades clandestinas em busca da bomba atômica, embora tenha avançado em seu programa nuclear "regular". Como o sr. reage a essa avaliação dos EUA? O Irã já decidiu sair em busca da bomba?

Não só estão em busca, como usam todos os meios à disposição para avançar rumo à bomba. Do enriquecimento de urânio ao desenvolvimento de mísseis de longo alcance capazes de transportar uma ogiva, eles estão avançando a todo vapor e em todas as direções.

Como o sr. encara a afirmação dos EUA sobre essa possível "pausa" no programa clandestino por volta de 2003?

Nós sabemos que, em 2003, em meio à invasão do Iraque, os iranianos estavam com muito medo e enviaram uma mensagem aos EUA dizendo "estamos prontos para suspender nosso programa nuclear e até discutir nosso apoio ao terrorismo". Mas (o presidente George W.) Bush ignorou. Alguns americanos interpretaram isso como uma pausa no programa e, em 2007, a CIA voltou a falar isso - sem dizer de onde tirou a informação. Nós sabemos que eles continuam em busca da bomba com toda força.

As sanções nunca foram tão duras contra o Irã: a Europa e os EUA acabam de impor um embargo total ao petróleo iraniano. Um ataque militar, agora, é a melhor decisão ou o sr. acredita que há espaço para negociação?

Eu não acredito em negociações. Os iranianos usarão esse diálogo para enganar o mundo, como têm feito há tantos anos. Mas penso que as sanções têm um impacto cada vez maior e devemos dar algum tempo para elas agirem, pois são muito eficientes. A opção militar, porém, deve permanecer sobre a mesa.

Em razão dessas sanções, o governo iraniano será convencido de que deve parar com seu programa nuclear, mesmo para fins pacíficos?

É impossível saber como reagirão e agências de inteligência não são profetas. Trabalham com probabilidades, jamais profecias. Como (o líder supremo Ali) Khamenei reagirá? Impossível saber. A questão é que eles ainda não estão em uma posição na qual serão forçados a tomar uma decisão do tipo 'continuamos ou suspendemos o programa?' Hoje não estamos nesse ponto, embora eu tenha a certeza de que há debates em Teerã sobre essa questão.

Que tipo de debates?

Estão se perguntando não só sobre o efeito das sanções, mas também da perda de amigos. Estão vendo, por exemplo, o Hamas se distanciar. Até o Hezbollah afirmou que, caso o Irã seja atacado, a resposta no Líbano não será automática. A Primavera Árabe criou movimentos de massa contrários ao Irã, que coopera com o regime Bashar Assad nos massacres à oposição síria. Teerã internamente também tem problemas, não apenas de ordem econômica. E isso tem uma razão simples: a Revolução Islâmica está fracassando, não estão entregando o que haviam prometido em 1979. Por isso, novamente, é preciso dar tempo para as sanções agirem. E é importante notar ainda que essas medidas não teriam sido tomadas se Israel não estivesse ameaçando ir à guerra. O mundo continuaria sem fazer nada.

O sr. parece não acreditar que um ataque de Israel ao Irã será imediatamente respondido pelo Hamas e o Hezbollah.

Não acredito que haverá uma resposta automática, uma retaliação imediata do Hamas ou mesmo do Hezbollah. Antes, eles vão de pensar "no que" e em "como" fazer. Não acredito que Assad se envolva numa guerra com Israel em nome do Irã, a não ser que isso lhe sirva na luta pela sobrevivência de seu regime. Tenho minhas dúvidas sobre se teremos realmente uma guerra regional de vários fronts contra Israel. Não descarto essa possibilidade, mas não estou certo sobre ela. O Hezbollah lembrará a guerra de 2006; o Hamas, a de 2009. O poder de dissuasão de Israel está aí.

E como o sr. vê o risco de uma deriva da Síria em direção a um estado completo de guerra civil? Como isso afetará Israel?

O futuro da Primavera Árabe é desconhecido. Por enquanto, vemos que o Islã político - a Irmandade Muçulmana e suas filiais - tem vantagem. Pela ideologia desses movimentos, eles estão longe de ser amigos de Israel. Não teremos mais o Egito de (Hosni) Mubarak e não sei com que tipo de regime lidaremos na Síria depois de Bashar (Assad). Pode ser um regime que, ao longo de anos, estará ocupado internamente. Pode ser uma Irmandade hostil a Israel. Assad manteve a fronteira (com Israel) silenciosa por muitos anos, embora fosse um aliado estratégico do Hezbollah e do Irã - nossos arqui-inimigos. O que é certo é que, se Assad cair, a posição de Teerã no Oriente Médio será seriamente enfraquecida. O que ocorrerá depois, não sei.

E quanto ao risco de uma intervenção externa na Síria?

Acredito que ninguém fará isso. Agora não há o petróleo que havia no caso da Líbia e as implicações geopolíticas são totalmente diferentes. Não se sabe nem mesmo como a oposição a Assad reagiria a um ataque externo. Vamos ter um novo Iraque, com jihadistas islâmicos a caminho da Síria para lutar contra o Ocidente? A Síria pode mesmo se romper em duas partes, o que teria imensas implicações para a Turquia, que é da Otan, em razão da questão curda. Duvido que se arrisquem a esse ponto.

E no Egito, qual é o cenário?

A Irmandade gravitará em torno de dois polos: o pragmatismo de governo e o apelo de sua ideologia. Vai depender do momento. Agora, por razões táticas, eles querem se mostrar modernos e democráticos. Mas isso pode mudar a qualquer momento. Na última semana, deputados egípcios declararam no Parlamento que o inimigo ainda é e sempre será Israel. Por enquanto, não querem rever os acordos (de paz, de 1979). Veremos. Eu venho da área de inteligência e um bom agente nesse campo sempre é cheio de dúvidas e pessimista. Sou assim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.