É preciso evitar guerra com Irã, diz premiê francês

Todas as medidas necessáriaspara evitar a ameaça de uma guerra com o Irã devem seradotadas, afirmou o primeiro-ministro da França, FrançoisFillon, na segunda-feira, um dia depois de o chanceler do paíseuropeu ter dito que o governo francês deve se preparar paraaquela possibilidade. "Tudo terá de ser feito para evitar a guerra", disse Fillona repórteres, durante uma visita à cidade de Angoulême. "O papel da França é esforçar-se a fim de garantir umasolução pacífica para uma situação que seria extremamenteperigosa para o restante do mundo", afirmou, acrescentando queo chanceler Bernard Kouchner tinha razão ao dizer que asituação era perigosa e que precisava ser encarada comseriedade. O ministro das Relações Exteriores da França, BernardKouchner, afirmou em uma entrevista concedida a canais de TV eestações de rádio, no domingo, que o país precisava se prepararpara a eventualidade de travar uma guerra com o Irã, apesar deesse cenário não ser um perigo imediato. O Irã acusou Kouchner de usar "palavras provocativas" aodizer que a França deve se preparar para a possibilidade de umaguerra devido ao programa nuclear iraniano. Em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficialIRNA, o porta-voz do ministro das Relações Exteriores iraniano,Mohammad Ali Hosseini, afirmou que as declarações de Kouchnernão estavam alinhadas com as políticas da União Européia. "O uso de palavras provocativas vai contra a posiçãohistórica e cultural da França e é contra a civilizaçãofrancesa", disse em comunicado. O Irã nega a acusação de que esteja desenvolvendosecretamente armas nucleares. O governo iraniano afirma quedeseja dominar a tecnologia atômica visando exclusivamente àprodução de eletricidade. (Por Sophie Louet)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.