É preciso pensar 3 vezes sobre ação na Síria, diz China

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse ao secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que "países relevantes" precisam "pensar três vezes antes de agir" na Síria. O ministro também pediu que os EUA levem o debate sobre como responder ao uso de armas químicas no país de volta ao âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas, de acordo com um comunicado publicado no site do Ministério de Relações Exteriores da China.

AE, Agência Estado

09 de setembro de 2013 | 05h30

Os comentários de Wang Yi foram feito em um telefonema a Kerry no domingo e refletem falas do presidente chinês, Xi Jinping, feitas durante encontro com o presidente dos EUA, Barack Obama, na cúpula do G-20 em São Petersburgo. Na sexta-feira, Xi disse que os ataques militares não devem resolver os problemas na Síria. "Esperamos que certos países" pensem duas vezes antes de agir, disse Xi a Obama, de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua.

No mês passado, a China se juntou a Rússia ao bloquear uma proposta do Reino Unido submetida aos países centrais do Conselho de Segurança das Nações Unidas. As autoridades britânicas pediram autorização para uma ação militar na Síria. A China, ao contrário da Rússia, tem poucos laços fortes com o regime de Assad, mas muitas vezes se une a Rússia em votações do Conselho de Segurança e, há muito tempo, tem professado uma política de não-interferência nos assuntos de outros países. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
ChinaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.