Leah Millis/ Reuters
Leah Millis/ Reuters

'É tão injusto', diz Donald Trump sobre processo de impeachment

Presidente acusou os democratas de estarem adiando o envio de informações para esconder o fato de que eles não tem 'nenhum caso'

Redação, O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2019 | 01h15

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump criticou no último sábado, 21, a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, por ter adiado o envio dos artigos de impeachment ao Senado. A fala aconteceu durante discurso a um grupo de estudantes conservadores da fundação Turning Point em Palm Beach, na Flórida.

"É tão injusto", disse. A declaração vem dias depois da Câmara, em 18 de dezembro, ter votado para impugnar Trump, preparando o terreno para o julgamento no Senado. "Eles estão violando a Constituição", adicionou. Na ocasião, ele também chamou Pelosi de "Nancy louca" e associou o adiamento ao fato dos democratas não terem "nenhum caso".

No entanto, continua sendo improvável que Trump seja condenado e destituído do cargo pelo Congresso. Ao contrário da Câmara, de maioria democrata, o Senado norte-americano está sob o controle do Partido Republicano, sigla da qual ele faz parte. Ao todo, são necessários dois terços dos votos para que sejam aprovadas as acusações de impeachment, o que torna a possibilidade mais complicada.

Enquanto isso, o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, disse que está trabalhando em conjunto com a Casa Branca nos preparativos para o julgamento, o que tem atraído acusações dos democratas de que ele estaria ignorando seu dever de considerar as evidências de maneira imparcial.

Pelosi ainda não enviou o pacote de impeachment ao Senado, em uma tentativa de aumentar a pressão sobre os republicanos do país norte-americano. Com isso, ela também não anunciou os gerentes ou promotores que apresentarão as evidências no julgamento.

"Até que a Câmara obtenha uma imagem mais clara de como será o julgamento no Senado, a Presidente não está em posição de nomear gerentes e tomar as próximas medidas para responsabilizar este Presidente, e garantir que o Senado cumpra seu dever constitucional", disse em nota o escritório de Pelosi no último sábado, 21.

O comunicado ainda adiciona que senadores têm a obrigação constitucional de conduzir um "processo justo que ofereça tanto aos senadores, que atuam como jurados, quanto ao público, a oportunidade de entender toda a extensão do caso de abuso de poder do presidente Trump".

Vale lembrar que ele tem sido acusado de reter US $ 391 milhões em ajuda de segurança à Ucrânia, em um esforço para fazer Kiev anunciar uma investigação de corrupção contra o ex-vice-presidente Joe Biden, que é um dos principais candidatos à nomeação democrata para enfrentá-lo nas eleições de novembro de 2020.

O presidente também está sendo acusado de obstrução do Congresso, por orientar os funcionários e agências do governo a não cooperarem com o inquérito de impeachment. Ele alega que não fez nada de errado e que vê o processo como uma tentativa partidária de desfazer sua vitória nas eleições de 2016./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.