Eclusa é aberta para aliviar inundações no Mississippi

O Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA abriu uma das eclusas da barragem de Morganza, na Louisiana, na tentativa de aliviar as inundações ao longo do rio Mississippi, que ameaçam várias cidades. Por causa de uma série de tempestades e de derretimento de neve nas Montanhas Rochosas, o fluxo do Mississippi alcançou 42.500 metros cúbicos por segundo em Red River Launching, cerca de 90 km ao norte de Baton Rouge (Louisiana), o que motivou a decisão de abrir uma das eclusas de Morganza.

AE, Agência Estado

14 de maio de 2011 | 19h00

A abertura permitiu que 283 metros cúbicos de água por segundo saíssem do Mississippi para inundar a Bacia de Atchafalaya. Segundo o Exército, cerca de 25 mil pessoas vivem nessa região, onde há 13 mil edificações e criadouros de ostras e de peixes que poderão ter de enfrentar uma inundação de até 7 metros de altura.

A porta-voz do Corpo de Engenheiros do Exército, Rachel Rodi, disse que as eclusas continuarão a ser abertas conforme necessário. No total, a barragem de Morganza tem 125 eclusas e a abertura de todas elas permitiria a passagem de 17 mil metros cúbicos de água por segundo.

O objetivo da operação é impedir grandes inundações em cidades como Baton Rouge e Nova Orleans, além de beneficiar as refinarias de petróleo situadas às margens do Mississippi, que respondem por cerca de 14% da capacidade de refino dos EUA. A cheia do rio obrigou algumas dessas refinarias a fecharem seus oleodutos e interrompeu o transporte por barcaças, exacerbando a alta dos preços da gasolina no país.

A inundação da Bacia de Atchafalaya, porém, poderá afetar a produção de 2.264 poços de petróleo localizados naquela região, e que produzem 19.278 barris por dia, segundo o Escritório de Conservação do Departamento de Recursos Naturais da Louisiana.

A barragem de Morganza foi construída em 1954 e suas eclusas foram abertas somente uma vez, em 1973. A cheia do Mississippi registrada neste ano é considerada a maior desde 1937. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
inundaçãoEUAtempestades

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.